Embaixada pode ajudar mãe das vítimas a vir a Portugal

Crime de Tires. Solange, a mãe de duas das brasileiras assassinadas, já tem uma amiga a tratar de tudo por procuração

Solange Santana, mãe de duas das três brasileiras assassinadas em Tires, pode pedir apoio consular na Embaixada do Brasil para vir a Portugal, apurou o DN com fonte diplomática, um dia depois de a cidadã brasileira ter contado ao DN não ter condições financeiras para viajar e que só viria se a Polícia Judiciária lhe pedisse para "fazer exames de ADN ou algo do género".

Segundo apurou o DN, o apoio a ser prestado dificilmente passará por ajudar financeira para a trasladação dos corpos, porque é um processo muito caro. Trasladar um corpo de Portugal para o Brasil custa entre sete mil a oito mil euros. Solange, mãe de Michele, de 28 anos, e Lidiana, de 16, cujos corpos serão hoje autopsiados, adiantou ao DN que provavelmente optará pela cremação porque "fica mais barato".

Para não ter de se preocupar com as formalidades em Portugal, Solange já pediu para se tratar de uma procuração para que uma amiga da família em Portugal, Flávia Macedo, possa gerir as formalidades relacionadas com as cerimónias fúnebres das filhas. "Já estão a tratar da procuração", contou Flávia Macedo ao DN, adiantando que Solange Santana ainda se encontra em "estado de choque" depois de ter sabido, na sexta-feira, que as filhas desaparecidas desde janeiro tinham sido resgatadas de uma fossa de esgoto, numa quinta em Tires.

O principal suspeito, Dinai Gomes, está localizado pela polícia brasileira, em Novo Cruzeiro (Minas Gerais) e a ser vigiado mas só será detido depois de recolhida mais prova do crime pela PJ em Portugal.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.