Embaixada pode ajudar mãe das vítimas a vir a Portugal

Crime de Tires. Solange, a mãe de duas das brasileiras assassinadas, já tem uma amiga a tratar de tudo por procuração

Solange Santana, mãe de duas das três brasileiras assassinadas em Tires, pode pedir apoio consular na Embaixada do Brasil para vir a Portugal, apurou o DN com fonte diplomática, um dia depois de a cidadã brasileira ter contado ao DN não ter condições financeiras para viajar e que só viria se a Polícia Judiciária lhe pedisse para "fazer exames de ADN ou algo do género".

Segundo apurou o DN, o apoio a ser prestado dificilmente passará por ajudar financeira para a trasladação dos corpos, porque é um processo muito caro. Trasladar um corpo de Portugal para o Brasil custa entre sete mil a oito mil euros. Solange, mãe de Michele, de 28 anos, e Lidiana, de 16, cujos corpos serão hoje autopsiados, adiantou ao DN que provavelmente optará pela cremação porque "fica mais barato".

Para não ter de se preocupar com as formalidades em Portugal, Solange já pediu para se tratar de uma procuração para que uma amiga da família em Portugal, Flávia Macedo, possa gerir as formalidades relacionadas com as cerimónias fúnebres das filhas. "Já estão a tratar da procuração", contou Flávia Macedo ao DN, adiantando que Solange Santana ainda se encontra em "estado de choque" depois de ter sabido, na sexta-feira, que as filhas desaparecidas desde janeiro tinham sido resgatadas de uma fossa de esgoto, numa quinta em Tires.

O principal suspeito, Dinai Gomes, está localizado pela polícia brasileira, em Novo Cruzeiro (Minas Gerais) e a ser vigiado mas só será detido depois de recolhida mais prova do crime pela PJ em Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.