Em três anos, Miguel Laffan ganha, perde e reconquista estrela Michelin

O 'chef' confessou que perder a estrela foi "um murro no estômago"

Há dois anos, o chef Miguel Laffan conquistou a sua primeira estrela Michelin. Perdeu-a na edição seguinte e recuperou-a no guia do próximo ano. Mais do que a sua cozinha, mudou a atitude e, garante, aprendeu.

A edição de 2015 do Guia Michelin Espanha e Portugal atribuiu a primeira estrela ao restaurante L'And Vineyards (Montemor-o-Novo), mas, no ano seguinte, retirou-a, o que o chefe confessou ter sido, na altura, "um murro no estômago".

"Ganhar uma estrela, sem a ter, é um desafio romântico, é uma cruzada. Mas perder uma estrela e recuperá-la é muito complexo, requer muita disciplina mental, assumir o erro e perceber onde errámos, aprender com isso e começar a construir de novo", descreveu à Lusa em Girona, durante a apresentação do Guia Michelin Espanha e Portugal 2017, que volta a garantir-lhe uma estrela.

Laffan recordou os primeiros momentos depois da notícia da perda da distinção, há um ano.

"A minha prioridade número um era salvaguardar a minha equipa, o projeto, dar-lhes força, dizer que a culpa não era deles, se alguém tinha culpa era eu. Foi uma semana, dez dias, de tentar reconstruir o moral. Quando eu percebi que as coisas estavam prontas para recomeçarmos outra vez, passado duas semanas, fui-me muito abaixo", relatou.

Miguel Laffan afirma que, no último ano, não mudou a sua cozinha, mas a sua mentalidade e atitude.

"Deixei de viver a estrela e fiz o que sempre fiz antes de vir a estrela. Tive de perceber que eu não precisava de nada para mostrar aquilo que eu e a minha equipa valíamos. Concentrei-me em mim, na minha cozinha e no meu cliente", disse.

A estrela Michelin ao L'And Vineyards é uma das novidades anunciadas na cerimónia de apresentação do guia para 2017, que decorreu na quarta-feira à noite em Girona, na Catalunha.

O guia atribuiu duas estrelas ('cozinha excecional, vale a pena o desvio') a dois novos restaurantes portugueses e a primeira estrela ('cozinha requintada, vale a pena parar') a sete espaços, totalizando cinco com duas estrelas e 16 com uma estrela.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.