Em três anos, Miguel Laffan ganha, perde e reconquista estrela Michelin

O 'chef' confessou que perder a estrela foi "um murro no estômago"

Há dois anos, o chef Miguel Laffan conquistou a sua primeira estrela Michelin. Perdeu-a na edição seguinte e recuperou-a no guia do próximo ano. Mais do que a sua cozinha, mudou a atitude e, garante, aprendeu.

A edição de 2015 do Guia Michelin Espanha e Portugal atribuiu a primeira estrela ao restaurante L'And Vineyards (Montemor-o-Novo), mas, no ano seguinte, retirou-a, o que o chefe confessou ter sido, na altura, "um murro no estômago".

"Ganhar uma estrela, sem a ter, é um desafio romântico, é uma cruzada. Mas perder uma estrela e recuperá-la é muito complexo, requer muita disciplina mental, assumir o erro e perceber onde errámos, aprender com isso e começar a construir de novo", descreveu à Lusa em Girona, durante a apresentação do Guia Michelin Espanha e Portugal 2017, que volta a garantir-lhe uma estrela.

Laffan recordou os primeiros momentos depois da notícia da perda da distinção, há um ano.

"A minha prioridade número um era salvaguardar a minha equipa, o projeto, dar-lhes força, dizer que a culpa não era deles, se alguém tinha culpa era eu. Foi uma semana, dez dias, de tentar reconstruir o moral. Quando eu percebi que as coisas estavam prontas para recomeçarmos outra vez, passado duas semanas, fui-me muito abaixo", relatou.

Miguel Laffan afirma que, no último ano, não mudou a sua cozinha, mas a sua mentalidade e atitude.

"Deixei de viver a estrela e fiz o que sempre fiz antes de vir a estrela. Tive de perceber que eu não precisava de nada para mostrar aquilo que eu e a minha equipa valíamos. Concentrei-me em mim, na minha cozinha e no meu cliente", disse.

A estrela Michelin ao L'And Vineyards é uma das novidades anunciadas na cerimónia de apresentação do guia para 2017, que decorreu na quarta-feira à noite em Girona, na Catalunha.

O guia atribuiu duas estrelas ('cozinha excecional, vale a pena o desvio') a dois novos restaurantes portugueses e a primeira estrela ('cozinha requintada, vale a pena parar') a sete espaços, totalizando cinco com duas estrelas e 16 com uma estrela.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?