Em dois anos, Lisboa ganhou mais 15 mil carros por dia

Já entram mais carros na capital agora do que antes da crise. Falta de alternativas e recuperação económica explicam aumento

Quem vem para Lisboa todos os dias voltou a preferir trazer carro próprio. Depois de nos anos da crise ter reduzido o número de pessoas que entraram de carro na cidade, 2015 e 2016 mostram que a tendência se inverteu, com um aumento de 15 mil carros por dia. Um mau sinal para a mobilidade e para a qualidade do ar e que é explicado pelo sentimento de fim de crise e pela quebra na qualidade dos transportes públicos, admitem o vereador do planeamento e urbanismo, o ex-vereador da mobilidade, Fernando Nunes da Silva, e o ambientalista Francisco Ferreira.

Os dados a que o DN teve acesso mostram que em 2014 entravam em Lisboa 355 mil carros por dia, número que aumentou para 366 mil em 2015 e para 370 mil este ano (estimativa para o primeiro semestre do ano). Em 2010, ou seja, antes da chegada da troika, as deslocações de carro eram 367 500 mil por dia. "Temos inscritos em Lisboa 160 mil veículos e entram todos os dias cerca de 360 mil, o que significa que por cada três carros a circular, dois vêm de fora. É insustentável", admite o vereador do planeamento Manuel Salgado.

Problema que a autarquia espera diminuir ao assumir a gestão da Carris - que se espera aconteça em 2017 -, com a conclusão das obras que vão limitar as vias de circulação para os carros e com a criação de parques de estacionamento "próximos de estações de metro e de grandes vias de transporte", anunciou, na terça-feira, o presidente da câmara municipal, Fernando Medina. No total, vão ser criados sete mil novos lugares de estacionamento, entre espaços para residentes e para utilizadores dos transportes públicos.

Também já foram aplicadas zonas onde é proibida a circulação de carros mais antigos, que pretendia também reduzir o tráfego dos carros mais poluentes nas zonas históricas e mais movimentadas da cidade.

Mentalidade e criar alternativas

No entanto, estas medidas podem não ser suficientes. Fernando Nunes da Silva lembra que nos países do norte e centro da Europa onde o transporte público é mais utilizado "passaram por décadas de educação". "Esta é a primeira geração em Portugal onde toda a gente tem acesso ao carro e é natural que as pessoas queiram usar. Não é de um dia para o outro que se mudam mentalidades", aponta o especialista em planeamento urbano.

Juntando a isso o facto de, no entender de Nunes da Silva, a única proposta do atual executivo camarário para reduzir os carros na cidade "é tornar o automóvel como o inimigo, em vez de criar uma complementaridade entre transporte público e privado que levasse as pessoas a deixar de usar o carro".

O aumento do tráfego em Lisboa não é surpresa para o ex-autarca que o relaciona com "a mudança política do governo de que a austeridade tinha acabado e a degradação total da rede de transportes coletivos, seja o metro, a carris ou resto do transporte rodoviários da região de Lisboa". Nunes da Silva antecipa ainda uma terceira razão - "embora não haja dados que a comprovem" - que é "o relançamento da atividade turística que implica mais deslocações a Lisboa para empregos temporários ou pessoas que vêm em lazer". Além disso, "a quebra do desemprego também significa que há mais gente a circular".

Por outro lado, "a oferta deficitária de transportes públicos" e os estudos que mostram "que o sai mais barato em algumas ligações trazer carro próprio do que utilizar o transporte coletivo, não ajuda a que as pessoas deixem o carro em casa", conclui.

Qualidade do ar piorou

Ao saber que mais carros entraram em Lisboa por dia no ano passado, o ambientalista Francisco Ferreira reagiu com um "faz todo o sentido que a qualidade do ar tenha piorado então em 2015". O fundador da associação Zero lembra que "realmente 2015 foi um ano com problemas de qualidade do ar que não tínhamos tido em 2014".

Um dos exemplos é a Avenida da Liberdade, cuja estação de medição da qualidade do ar apanha sobretudo os efeitos do tráfego rodoviário e "apesar de haver alguma variabilidade meteorológica, em 2015 voltámos a ultrapassar o número de dias permitido do valor limite diário de partículas e o óxido de azoto ultrapassou o valor horário e valor anual de limite".

Francisco Ferreira reconhece que "a cidade ainda não está preparada para evitar este afluxo acrescido de viaturas. Uma das expectativas é que as obras que estão a ser feitas possam dar um contributo para uma cidade mais amiga das pessoas e da mobilidade". Com F. N.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.