Pacote suspeito não tinha explosivos. Av. Fontes Pereira de Melo reaberta 

PSP criou um perímetro de segurança devido a um pacote suspeito esta tarde

O Comissário da PSP confirmou esta tarde que o pacote suspeito deixado na Conservatória de Lisboa, e que obrigou à evacuação do edifício e da zona, "não continha qualquer produto explosivo". O perímetro de segurança criado pelas autoridades foi retirado e a normalidade deverá regressar em breve à Avenida Fontes Pereira de Melo e às outras áreas evacuadas.

A conclusão foi tomada pela equipa de Inativação de Explosivos após uma avaliação do pacote, que provocou o corte de trânsito na Avenida Fontes Pereira de Melo, entre o Saldanha e a rotunda do Marquês de Pombal.

O pacote vai agora ser retirado do local e as autoridades não revelam qual era o seu real conteúdo. O caso passa agora para a tutela da Polícia Judiciária, segundo o comissário Sérgio Soares da PSP, pois o que parece ter sido uma brincadeira de mau gosto, constitui um crime.

O alerta para o pacote suspeito na conservatória foi dado pelas 14:00 por chamada telefónica através do 112 (número nacional de emergência).

Os edifícios e estabelecimentos situados dentro do perímetro de segurança estabelecido durante a tarde desta quinta-feira, entre o Saldanha e a rotunda do Marquês de Pombal, em Lisboa, foram evacuados e encerrados.

A circulação automóvel foi cortada pelas 15:30 na Avenida Fontes Pereira de Melo, entre o Saldanha e a Avenida António Augusto de Aguiar, devido à presença de um pacote suspeito no edifício da Conservatória do Registo Civil. Mais tarde, pelas 16:45, o perímetro foi alargado até à rotunda do Marquês de Pombal.

Pelas 17:15, uma equipa de inativação de explosivos estava dentro edifício da Conservatória a "avaliar a situação", adiantou Sérgio Soares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.