É coincidência ou o bosão de Higgs tem um primo?

Picos de energia nas colisões do CERN parecem apontar para nova partícula. Mas não há certeza

Pode ser só coincidência, dizem cautelosos os cientistas, mas o facto é que durante as colisões feitas este ano no CERN, que foram realizadas com a mais alta energia alguma vez ali atingida, foram observados uns misteriosos picos de energia, ainda inexplicáveis, mas que poderão corresponder a uma nova partícula: um primo do famoso bosão de Higgs. Será mesmo?

Não há a certeza. E foi por isso que, apesar de nos últimos dois dias se ter falado muito nas redes sociais sobre um possível anúncio de uma nova descoberta por parte do CERN, isso não chegou a acontecer.

Em vez de uma descoberta, os cientistas das experiências Atlas e CMS, que este ano fizeram colisões de partículas num novo patamar das altas energias, divulgaram apenas os resultados das duas experiências, que são coincidentes nesses picos de energia, mas que permanecem sem explicação. "É um pouco intrigante", afirmou à revista Nature Dave Charlton, um porta-voz do CERN, sem adiantar mais conclusões.

Com a época de colisões agora encerrada, para reabrir na próxima primavera, os físicos vão certamente continuar a analisar os milhões de dados registados este ano, em busca de uma resposta para o problema. E, para o ano, certamente, voltam às experiências, para tirar a prova dos nove.

[artivo:1532216]

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.