Madrugada marcada por assaltos a multibancos no Norte. Dois GNR intoxicados

Registaram-se três assaltos, em Barcelos, Esposende e Gaia.

Três caixas multibanco, uma em Barcelos, outra em Esposende, e uma terceira, em Canidelo, Gaia, foram assaltadas na madrugada de hoje por explosão.

Segundo fonte da GNR, no assalto à Cooperativa de Crédito Agrícola de Esposende a patrulha da GNR "ainda se cruzou com os assaltantes", tendo estes "aberto um extintor" na direção da viatura policial. Dois militares da ficaram intoxicados e foram levados para o hospital de Barcelos na sequência da perseguição aos assaltantes.

Fonte do Comando Distrital de Operação de Socorros (CDOS) de Braga disse à Lusa que o alerta foi recebido esta madrugada pelas 05:30, pedindo auxílio para dois militares da GNR que "sentiram náuseas e dificuldades respiratórias".

Nessa perseguição, segundo fonte do Comando da GNR de Braga houve "o lançamento de pó de um extintor e foi esse pó inalado que levou os militares ao Hospital de Barcelos com intoxicação na garganta".

O primeiro assalto registou-se pelas 04:30 em Lijó, Barcelos, sendo o alvo uma caixa multibanco instalada num supermercado.

Um terceiro assalto, pelas 6:00, aconteceu ma caixa multibanco instalada junto a uma padaria em Canidelo, Vila Nova de Gaia.

Um carro patrulha da PSP no local da explosão da caixa multibanco viu num carro de marca BMW pelo menos três indivíduos a fugirem.

A PSP ainda realizou uma perseguição à viatura com os suspeitos, mas não conseguiu intercetar o automóvel, acrescentou a mesma fonte.

De acordo com a GNR, os três assaltos terão sido consumados por três indivíduos, que se faziam transportar num carro escuro.

Em ambos os casos, as caixas foram destruídas por explosão, desconhecendo-se ainda os montantes roubados.

(Atualizada às 14:20 com mais informações acerca do assalto em Gaia)

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.