Duas caixas multibanco assaltadas por explosão em Matosinhos e Gondomar

Duas caixas multibanco foram assaltadas na madrugada de hoje, por explosão, em Matosinhos e Gondomar, alegadamente por cinco homens armados e encapuzados, informou fonte do Comando Metropolitano da PSP do Porto.

Segundo a fonte, o primeiro assalto registou-se pelas 02:40, sendo o alvo uma caixa instalada numa loja de eletrodomésticos na Rua Cruz de Pau, em Matosinhos.

Pelas 03:20, foi assaltado um multibanco instalado num supermercado na confluência da Rua João Vieira com a Rua Manuel Ferreira das Neves, em Gondomar.

Em ambos os casos, registou-se um "forte estrondo" e "danos consideráveis" nos edifícios.

De acordo com a fonte da PSP, testemunhas disseram ter visto cinco homens, com a cara tapada e munidos de "pelo menos" uma arma de fogo.

Os valores roubados ainda não são conhecidos.

Os assaltantes faziam-se transportar numa viatura preta, de alta gama.

A investigação está agora entregue à Polícia Judiciária.

A 06 de outubro, também de madrugada, a GNR registou explosões de três caixas multibanco no distrito do Porto, nomeadamente em Labruge (Vila Conde), São Pedro de Fins (Maia) e em Recarei (Paredes).

Situações similares tinham também ocorrido a 26 de setembro, altura em que as autoridades registaram três explosões de caixas multibanco em Águas Santas, concelho da Maia, Vila das Aves, município de Santo Tirso, e em Laúndos, na zona da Póvoa de Varzim.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...