Duas caixas multibanco assaltadas com recurso a bombas

Os assaltos aconteceram com cerca de 20 minutos de diferença

Duas caixas multibanco na Marinha Grande e no Parque de Campismo de Vieira de Leiria foram rebentadas durante a madrugada, havendo indicação de furto do dinheiro em pelo menos uma das caixas, disse hoje fonte da PJ.

O primeiro furto com recurso a rebentamento decorreu por volta das 04:00, no Posto de Turismo do Parque de Campismo de Vieira de Leiria, e o segundo "cerca de 20 minutos depois", na cidade da Marinha Grande, distrito de Leiria, disse à agência Lusa fonte da PJ de Coimbra, que está a investigar o caso.

Segundo a mesma fonte, numa das situações há indicação de que o furto foi consumado, sendo que na outra "ainda não há dados concretos".

De acordo com o responsável pela empresa concessionária do parque de campismo, José Moura e Sá, o rebentamento da caixa multibanco criou alguns danos no Posto de Turismo, nomeadamente os vidros do edifício.

"Não há sinal de furtos" de objetos que estavam dentro do posto, explanou, sublinhando que é a primeira vez que tal situação acontece naquele espaço.

O parque de campismo "continua a funcionar normalmente", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.