Douro Azul critica autarca por falar em garimpeiros do turismo

Novo regulamento de transporte turístico na cidade foi aprovado. Mário Ferreira sentiu-se insultado em comentário de Rui Moreira e admitiu largar negócio dos autocarros turísticos

O presidente da Douro Azul, Mário Ferreira, reagiu de forma muito crítica a um comentário do presidente da Câmara do Porto sobre o novo regulamento do transporte turístico na cidade, que ontem foi aprovado em reunião de câmara. O empresário, que detém a BlueBus, operador de autocarros turísticos que circulam em Porto e Lisboa, considerou ser insultuoso tratar os operadores do setor como novos garimpeiros e, entre críticas ao regulamento, deixou no ar a hipótese de abandonar este ramo de negócio, garantindo que nem sequer é lucrativo.

Rui Moreira lançou, domingo, na sua página de facebook enquanto autarca, um artigo de opinião, publicado num jornal diário que intitulou "O Porto não é o Faroeste" e escreveu : "Como autarca e como presidente da Associação de Turismo do Porto, não posso deixar de elogiar estes novos "garimpeiros" que operam no Porto, por terem sabido entender que não há turistas que queiram vir ao Porto para ver autocarros de turismo e tuc-tuc, e que colaboraram no processo de elaboração do primeiro regulamento que restringe o transporte turístico na cidade, sem preconceitos."

Em resposta, Mário Ferreira escreveu que o autarca devia ter cuidado com as palavras "para não catalogar todos os operadores da mesma forma e, muito menos como garimpeiros, designação que consideramos insultuosa, pois se não fossem esses operadores a desenhar o mapa nesse tal "faroeste", hoje não teria a cidade tantos turistas como tem". O empresário admite méritos no regulamento mas pediu "o cuidado de não cair na demagogia nem no populismo". Disse que "as novas regras, trajetos, custos e taxas que serão impostos vão limitar uma atividade que não é certamente o filão de ouro que aqui foi descrito e por isso mesmo acho que pelo nosso lado vamos fazer a vontade ao executivo e abandonar esse negócio que nunca foi lucrativo um único ano desde o seu início!!!"

Perante estas críticas, o DN contactou Mário Ferreira que ontem disse não ter mais comentários: "Foi um comentário a título pessoal. A Douro Azul e a Blue Bus não têm nada a dizer de momento. Vamos avaliar o regulamento e na altura certa tomaremos posição."

Mas a insatisfação da Douro Azul não ficou por aqui. Rui Saraiva, diretor de negócios de sightseeing da Douro Azul, também comentou o post, com um extenso texto em que dizia que falta bom senso ao regulamento. Também teve resposta do autarca: "Sim, vamos regular. Paragens e percursos. É a nossa obrigação. Não queremos autocarros parados nas faixas bus a fazer de bilheteira; não queremos o inferno na Batalha; não queremos autocarros turísticos em faixas bus ou em artérias residenciais." A Blue Bus (Douro Azul) é uma das operadoras de autocarros no Porto, a par com a Carristour e a Douro Acima.

No mesmo comentário no facebook, Mário Ferreira disse que a CARRIS é que sai beneficiada: "Ficará certamente a ganhar a CARRIS que durante muitos anos foi o único operador com autocarros e gasóleo apoiado por todos nós e que por este caminho assim voltará a ser, cá estarão os cidadãos para cobrir o prejuízo. O trânsito na cidade continuará da mesma forma e os turistas sairão mais prejudicados. São opções que teremos que respeitar..."

A este forte comentário, Rui Moreira respondeu: "A expressão "garimpeiros" nada tem de insultuosa, muito menos no contexto do texto onde se elogia aquilo que o setor trouxe à cidade".

Ontem na reunião de câmara, em resposta ao vereador do PSD, Ricardo Almeida, o autarca afirmou ser "verdade que não houve entusiasmo dos operadores", mas, citado pela Lusa, garantiu ser "lícito que o poder político diga que quer que a sua operação seja compatível com a cidade". Moreira acredita que o regulamento "é legal, é à prova de bala". O documento foi aprovado, com abstenção dos vereadores do PSD, Ricardo Almeida, e do PCP, Pedro Carvalho, e irá a votação na Assembleia Municipal. Define um conjunto de "regras específicas" como os locais onde podem circular e estacionar, os horários (09.00 às 20.00) e o número máximo de matrículas por operador, 12 no caso de autocarros. O regulamento indica ainda o caminho para boas práticas ambientais.

Em Lisboa, um regulamento idêntico está em consulta pública até 22 de fevereiro. Restringe o acesso a determinadas ruas e bairros, estabelece horários (09.00 às 21.00), proíbe o transporte de malas e indica que devem ser elétricos.

Exclusivos