Há "ingredientes da vida" em 2 meteoritos que caíram na Terra

Dois meteoritos que caíram, em momentos diferentes, na Terra em 1998 contêm 'ingredientes da vida', como água líquida, aminoácidos e hidrocarbonetos

De acordo com a investigação, publicada na revista Science Advances, trata-se dos primeiros meteoritos a serem encontrados com estes 'ingredientes'.

Um deles caiu perto de um campo de basquetebol infantil no Texas, nos Estados Unidos, em março de 1998, e o outro próximo de Marrocos, em agosto de 1998.

Uma equipa internacional de cientistas, incluindo do Reino Unido, Japão e dos Estados Unidos, inferiu os resultados a partir da análise, com técnicas de microscopia e raios-X, de amostras de pequenos cristais de sal recolhidos dos meteoritos, que foram preservados pela agência espacial norte-americana NASA.

O estudo, feito em parte no Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, nos Estados Unidos, sugere que o planeta-anão Ceres, localizado na Cintura de Asteroides, entre Marte e Júpiter, pode ser a fonte dos compostos orgânicos detetados nos meteoritos.

Os pequenos cristais que contêm aminoácidos, hidrocarbonetos e vestígios de água são mais finos do que um fio de cabelo

Os autores do estudo defendem que os vestígios microscópicos de água remontam à 'infância' do Sistema Solar, formado há 4,5 mil milhões de anos.

"Tudo leva a concluir que a origem da vida pode estar noutros lugares", afirmou a autora principal do estudo, Queenie Chan, investigadora da The Open University, no Reino Unido, citada em comunicado pelo Laboratório Nacional Lawrence Berkeley.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.