Portela ou Montijo? "ADN da easyjet é operar aeroportos principais"

Diretor em Portugal não deu pormenores quando questionado se a companhia aérea vai transferir operações para o aeroporto complementar do Montijo

O diretor da easyJet em Portugal, José Lopes, afirmou hoje que "o ADN" da companhia aérea de baixo custo "é operar aeroportos principais", quando questionado sobre se equaciona ter atividade no Montijo.

"O ADN da easyjet é operar aeroportos principais", disse José Lopes, depois de ter sido questionado várias vezes sobre uma eventual transferência - ou complementaridade - de operação para o aeroporto complementar do Montijo, que irá contribuir para aumentar a capacidade do Aeroporto Humberto Delgado e vai estar vocacionado principalmente para as 'low cost' (baixo custo) e para serviços de médio custo.

A TAP já descartou sair do aeroporto Humberto Delgado, hoje a easyjet faz esta afirmação, sem mais pormenores, enquanto outras companhias adiam uma decisão, mas afirmam a necessidade de ficar acautelado o crescimento de movimentos na capital portuguesa.

Por sua vez, a easyjet voltou hoje a dizer que o Montijo "é uma oportunidade para que o tráfego em Lisboa continue a crescer".

"Cada vez há menos 'slots' [vaga ou direito de pousar ou descolar em aeroportos congestionados] disponíveis na Portela [Lisboa]. A Portela sofre de restrições do espaço aéreo muito fortes e esta possibilidade do projeto 'Portela + 1' permite que tráfego como um todo continue a crescer, não só pelo tráfego extra que poderá vir a ser criado no Montijo, mas também pelo crescimento que a Portela vai poder ter devido à reorganização do espaço aéreo", disse.

José Lopes reforçou ver "com bons olhos" a solução encontrada, mas afirmou que só dentro de três anos, em 2020, deverá haver uma melhoria significativa na capacidade da Portela.

"Vamos ter até 2020 uns anos difíceis em termos de crescimento. Portugal está neste momento a crescer, devido à conjuntura internacional, e precisávamos de mais capacidade", afirmou.

Questionado sobre se a easyjet estará disponível para pagar taxas mais altas para se manter na Portela, José Lopes disse que "ninguém sabe no mercado qual vai ser o custo da operação no Montijo" e que não foi ainda apresentado um plano comercial sobre como vai ser essa operação.

"O modelo regulatório, que existe e que permite à Vinci aumentar taxas sempre que o tráfego cresce, existe porque não é um modelo regulatório 'cost-related' (não há relação custo -- benefício). O que prevemos em relação ao Montijo é que se mantenha este paradigma no modelo regulatório e que não se vá reverter isso e, a partir de agora, se diga que vamos ter um modelo 'cost-related' e os operadores vão pagar tudo isto", afirmou.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.