Direitos humanos, um desafio para o próximo século

Jorge Sampaio foi o primeiro a discursar na sessão de encerramento da conferência da Fundação Champalimaud

Dois ex-presidentes, Jorge Sampaio e Fernando Henrique Cardoso, um prémio Nobel da Paz, Shirin Ebadi, e um representante da comunidade muçulmana, Ziauddin Sardar. A pergunta tem tanto de simples como a resposta de complexo. Como será o mundo no próximo século? A ciência poderá trazer coisas novas ou não, poderemos ter robôs a tratar das nossas doenças. Mas para olhar para o futuro é preciso aprender com o passado.

"Podemos especular sobre mudanças na vida, natureza, tecnologia que poderá mudar neste período. Há sempre uma parte social que faz parte do progresso. Podemos fazer o futuro. Há muitas possibilidades que podem ser tomadas. A incerteza é o que faz a política. É o tomar decisões para um grupo de pessoas. A comunidade enfrenta grandes desafios. Olhar para o futuro é fazer-nos olhar para as decisões que queremos tomar agora para os nossos netos e depois deles, e tomar decisões que lhes garantam pelo menos o que tivemos. A conferência que temos agora é muito importante", disse Jorge Sampaio, ex-presidente da República, que abriu a sessão de encerramento da conferência "O desconhecido, a 100 de hoje", na Fundação Champalimaud.

A base das respostas, avançou, está na lei, no respeito pelos outros, na igualdade e nos direitos humanos. "Precisamos que as leis sejam respeitadoras dos direitos humanos e da justiça social. Os pobres continuam a ser excluídos. São-no em todos os países. A desigualdade será uma das maiores ameaças e a lei assume um papel importante. Garantir direitos humanos é uma tarefa sem fim. Não podemos ceder nesta batalha. Temos de fazer a história continuar a andar nos próximos anos e não dar passos para trás", afirmou Jorge Sampaio.

Shirin Ebadi, prémio Nobel da Paz, lembrou que são as pessoas o mais importante. Sem elas não é possível um futuro. E por isso é tão importante aprender com o passado, olhar para o presente e tentar mudar o futuro. "Há questões para as quais ainda não temos resposta. Todo o progresso que vamos ter, tecnológico e cientifico, vai deixar as pessoas mais felizes? Seremos capazes de resolver todos os desafios que enfrentamos agora? O propósito de toda a ciência é vivermos melhor e mais felizes. Se este objetivo não for alcançado então para que serve?", questionou.

A Prémio Nobel da Paz falou dos milhares de refugiados que todos os dias abandonam o seu país em busca de uma vida melhor. Mesmo que para isso tenham de enfrentar a morte. "A questão é porque tantas pessoas fogem dos seus países e aceitam até o risco de morte para chegar à Europa e qual será o seu destino depois de chegar. Até quando será a Europa capaz de aceitar esta vaga de refugiados? Se não lutarmos pelas respostas agora, veremos este problema repetir-se nos próximos anos. O que é importante é a justiça social. A nível nacional e internacional, para termos a certeza que os países mais desenvolvidos podem olhar para os menos desenvolvidos e apoiá-los."

A previsão para o futuro de Shirin Ebadi "é que podemos acabar com o fosso entre ricos e pobres a nível nacional e internacional e ser capazes de combater ideologias erradas, capazes de respeitar os direitos humanos e dar dignidade nos próximos 100 anos". "Um futuro onde a base são os valores humanos e não números. Com todo o respeito pelos cientistas, peço que coloquem as pessoas no centro da discussão e não os números", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.