Direitos humanos, um desafio para o próximo século

Jorge Sampaio foi o primeiro a discursar na sessão de encerramento da conferência da Fundação Champalimaud

Dois ex-presidentes, Jorge Sampaio e Fernando Henrique Cardoso, um prémio Nobel da Paz, Shirin Ebadi, e um representante da comunidade muçulmana, Ziauddin Sardar. A pergunta tem tanto de simples como a resposta de complexo. Como será o mundo no próximo século? A ciência poderá trazer coisas novas ou não, poderemos ter robôs a tratar das nossas doenças. Mas para olhar para o futuro é preciso aprender com o passado.

"Podemos especular sobre mudanças na vida, natureza, tecnologia que poderá mudar neste período. Há sempre uma parte social que faz parte do progresso. Podemos fazer o futuro. Há muitas possibilidades que podem ser tomadas. A incerteza é o que faz a política. É o tomar decisões para um grupo de pessoas. A comunidade enfrenta grandes desafios. Olhar para o futuro é fazer-nos olhar para as decisões que queremos tomar agora para os nossos netos e depois deles, e tomar decisões que lhes garantam pelo menos o que tivemos. A conferência que temos agora é muito importante", disse Jorge Sampaio, ex-presidente da República, que abriu a sessão de encerramento da conferência "O desconhecido, a 100 de hoje", na Fundação Champalimaud.

A base das respostas, avançou, está na lei, no respeito pelos outros, na igualdade e nos direitos humanos. "Precisamos que as leis sejam respeitadoras dos direitos humanos e da justiça social. Os pobres continuam a ser excluídos. São-no em todos os países. A desigualdade será uma das maiores ameaças e a lei assume um papel importante. Garantir direitos humanos é uma tarefa sem fim. Não podemos ceder nesta batalha. Temos de fazer a história continuar a andar nos próximos anos e não dar passos para trás", afirmou Jorge Sampaio.

Shirin Ebadi, prémio Nobel da Paz, lembrou que são as pessoas o mais importante. Sem elas não é possível um futuro. E por isso é tão importante aprender com o passado, olhar para o presente e tentar mudar o futuro. "Há questões para as quais ainda não temos resposta. Todo o progresso que vamos ter, tecnológico e cientifico, vai deixar as pessoas mais felizes? Seremos capazes de resolver todos os desafios que enfrentamos agora? O propósito de toda a ciência é vivermos melhor e mais felizes. Se este objetivo não for alcançado então para que serve?", questionou.

A Prémio Nobel da Paz falou dos milhares de refugiados que todos os dias abandonam o seu país em busca de uma vida melhor. Mesmo que para isso tenham de enfrentar a morte. "A questão é porque tantas pessoas fogem dos seus países e aceitam até o risco de morte para chegar à Europa e qual será o seu destino depois de chegar. Até quando será a Europa capaz de aceitar esta vaga de refugiados? Se não lutarmos pelas respostas agora, veremos este problema repetir-se nos próximos anos. O que é importante é a justiça social. A nível nacional e internacional, para termos a certeza que os países mais desenvolvidos podem olhar para os menos desenvolvidos e apoiá-los."

A previsão para o futuro de Shirin Ebadi "é que podemos acabar com o fosso entre ricos e pobres a nível nacional e internacional e ser capazes de combater ideologias erradas, capazes de respeitar os direitos humanos e dar dignidade nos próximos 100 anos". "Um futuro onde a base são os valores humanos e não números. Com todo o respeito pelos cientistas, peço que coloquem as pessoas no centro da discussão e não os números", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.