Direção-geral de Saúde assegura que vacina da gripe não causa doença

"A vacina é feita de vírus inativados e não tem potencial de infetar", afirmou a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas

A Direção-geral da Saúde avisa que a vacina da gripe não provoca a doença, tentando desmistificar a ideia de que as pessoas adoecem quando são imunizadas. "A vacina é feita de vírus inativados e não tem potencial de infetar", afirmou a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, considerando "um mito" que se contraia gripe por levar a vacina.

De acordo com a responsável, durante o período em que é administrada a vacina da gripe há vários vírus em circulação, nomeadamente respiratórios, e pode ocorrer a coincidência de contraírem uma constipação ou outra infeção respiratória depois de se vacinarem contra a gripe.

Outras pessoas podem ainda ser vacinadas numa altura em que está já a gripe em período de incubação.

"A vacina é extremamente segura e é feita com vírus inativados", insistiu Graça Freitas durante a sessão de apresentação

Como todos os anos, a DGS apela à vacinação contra a gripe sobretudo aos grupos prioritários, como idosos ou doentes crónicos.

Graça Freitas lembrou hoje que se morre mais durante o inverno, devido às baixas temperaturas, à gripe e a outros vírus em circulação.

É também nesta altura que há mais pressão nos serviços de saúde, com a DGS a apelar a que as pessoas optem por procurar mais os centros de saúde do que as urgências hospitalares.

Na época da gripe, entre 16 a 17% das pessoas que vão a uma urgência podem necessitar de um internamento, contra menos de 10% nas outras épocas.

A diretora-geral da Saúde indicou que os planos para a época gripal são feitos a nível regional e que cada instituição avalia as suas necessidades, mas recordou a possibilidade de gerir melhor as altas sociais, libertando camas para quem mais precisa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.