Taxistas desmobilizam do Relógio. Próxima ação de luta em Belém

Presidente da ANTRAL comunicou aos taxistas que a polícia iria agir a qualquer momento e anunciou novo protesto para segunda-feira

A manifestação dos taxistas que durou todo o dia desta segunda-feira em Lisboa só terminou já depois das duas horas da madrugada, após os dirigentes das associações terem anunciado uma nova ação de luta, para segunda-feira.

Florêncio Almeida disse aos taxistas que ainda bloqueavam a Rotunda do Relógio que a ação policial estaria iminente e prometeu que na segunda-feira se iriam manifestar em Belém, frente à residência oficial do Presidente da República, pedindo uma audiência a Marcelo Rebelo de Sousa.

Foi o fim de um serão que teve alguns momentos de tensão, com vários taxistas numa primeira fase a recusar abandonar o local.

O dia iniciou-se com a concentração de milhares de taxistas em Lisboa, num protesto contra plataformas de transportes de passageiros como a Uber ou a Cabify. O protesto era para chegar à Assembleia da República, mas estacionou na Rotunda do Relógio cerca das 11:00, quando representantes do setor foram chamados para uma reunião com ministro do Ambiente. Às 16:00, no fim desse encontro, infrutífero, os organizadores anunciaram que não arredariam pé do local até que Governo respondesse às suas exigências.

Ainda da parte da manhã, três taxistas foram detidos e um identificado. Dois estarão envolvidos num ataque a um carro da Uber da parte da manhã - estando suspeitos de crime de dano - um por dano numa viatura da polícia e ainda outro por arremesso de material pirotécnico.

Leia o "filme" do dia:

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.