Detidos cinco suspeitos de tráfico de droga e apreendidos 32 quilos de cocaína

Detenções ocorreram no âmbito de uma investigação conjunta com a Guardia Civil espanhola

A Polícia Judiciária (PJ) apreendeu 32 quilogramas de cocaína e deteve cinco estrangeiros suspeitos de tráfico de estupefacientes, que alegadamente utilizariam Portugal para colocar a droga na Europa, usando contentores com frutas e produtos hortícolas, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a PJ, através da Diretoria do Norte, refere que as detenções ocorreram no âmbito de uma investigação conjunta com a Guardia Civil espanhola "a um grupo organizado que pretendia fazer entrar na Europa, através de Portugal, grandes quantidades de produtos estupefacientes, utilizando para o efeito o circuito comercial de importação e exportação de fruta e produtos hortícolas".

De acordo com a PJ, os cinco homens suspeitos, dos quais um foi detido em fragrante delito, têm idades compreendidas entre os 38 e os 50 anos.

Para concretizar o seu objetivo, "a organização criou uma empresa em Portugal, que efetuou a importação de contentores frigoríficos com produtos alimentares provindos de um país da América Central, que foram rececionados num armazém arrendado para o efeito e onde, após busca realizada pela PJ, vieram a ser encontrados em fundos falsos, cerca de 32 quilogramas de cocaína", explica a polícia.

A PJ realça ainda que a colaboração da Autoridade Tributária, através da Alfândega do Porto de Leixões, revelou-se "importante" nesta ação.

Os detidos, com as profissões de empresário, comerciante, mecânico, vendedor e um deles desempregado, todos de nacionalidades estrangeiras não reveladas, vão agora ser presentes à competente autoridade judiciária para primeiro interrogatório e aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.