Detidas em flagrante as "carteiristas do beijinho"

As três mulheres jovens beijavam as vítimas para as distraírem

Três mulheres carteiristas entre os 18 e 22 anos foram presas em flagrante esta sexta-feira no Porto. As mulheres fazem parte de uma rede internacional de criminosos e foram apelidadas de "carteiristas do beijinho", por beijarem as vítimas para as distraírem.

As jovens normalmente organizavam um peditório na rua para ajudar uma instituição de caridade falsa e quando algum turista se mostrava disposto a doar dinheiro, uma delas aproximava-se e dava-lhe um beijinho de agradecimento. Nesse momento, outra das mulheres roubava dinheiro da carteira do turista, ou outro bem valioso que ele trouxesse.

Os agentes da PSP já tinham sido alertados para as atividades criminosas das jovens e para o seu método de atuação, segundo o Jornal de Notícias, e esta sexta-feira vestiram-se à civil e apanharam-nas em flagrante na Ponte Luís I.

As três mulheres acabavam de roubar 85 euros e cinco libras a um turista chinês de 20 anos, que nem percebeu que tinha sido roubado, quando a polícia interveio.

As autoridades encontraram, além deste dinheiro, peças de ouro e mapas da cidade do Porto na posse das jovens.

Por ordem judicial, as mulheres foram libertadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.