Desfile no Tejo com mais de 300 embarcações

Associação Naval de Lisboa celebra 160 anos. Presidente da República vai lá estar

Mais de 300 embarcações das três marinhas que todos os dias cruzam o Tejo - a mercante, com os seus rebocadores, a de guerra com o garboso "Creoula" e a de recreio, incluindo 10 canoas e fragatas, os tradicionais barcos do rio - participam hoje no desfile que encerra as celebrações dos 160 anos da Associação Naval de Lisboa (ANL).

A festa, "que está a ser preparada há quatro meses", como explicou ao DN André Bettencourt, o comodoro da ANL, inicia-se às 17.00, junto à Doca de Santo Amaro, em Alcântara, e será o momento alto das comemorações que celebram a já longa travessia deste que é o clube desportivo mais antigo da Península Ibérica, e um dos 30 mais antigos da Europa.

O trajeto do desfile far-se-á rio abaixo, da Doca de Santo Amaro até à Torre de Belém, e daí, com uma inversão de rumo, até ao Padrão dos Descobrimentos, onde está prevista a chegada pelas 17.40, e onde haverá um brinde, uma salva de 21 tiros a partir do navio "Creoula", da Marinha Portuguesa, e ainda um sobrevoo, com acrobacias, por parte da aviação militar, que assim se associa às celebrações. O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que é presidente honorário da Associação Naval de Lisboa, também participa no desfile, a bordo da embarcação "Gaivota do Mar".

"O melhor sítio para ver o desfile, a partir de terra, é junto ao Padrão dos Descobrimentos", aconselha André Bettencourt.

Com esta festa náutica, a ANL quer celebrar as suas principais atividades de navegação, que são a vela e o remo, mas também chamar mais lisboetas para o Tejo, mostrando-lhes que viver o rio, além de passear na suas margens e usufruir do seu belo cenário, também é navegar nas suas águas.

"Nos últimos dez anos, sobretudo, a cidade de Lisboa reaproximou-se do seu rio, depois de muitas décadas de afastamento", diz André Bettencourt, sublinhando que esta reaproximação, "muito devida à ação do Porto de Lisboa e da câmara municipal, que devolveram às pessoas os espaços das margens e os requalificaram, tem sido muito positiva".

Mas viver o rio na sua totalidade, para ANL, é navegá-lo. E, por isso a associação, que tem cerca de 500 participantes regulares no remo e na vela, quer quadruplicar esse número, para os 2000 praticantes. Um anseio que terá de passar pela remodelação e ampliação das atuais instalações. "Já temos projeto e estamos em conversações com a câmara de Lisboa", conclui André Bettencourt.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.