Descoberto gene que permite reprodução de abelhas sem machos

Auto fertilização só acontece nesta subespécie de abelhas que vive em África do Sul

Na África do Sul, sobrevivem abelhas únicas no seu comportamento: podem escapar ao controlo da abelha rainha, invadir outras colónias e reproduzirem-se assexualmente, isto é, sem interferência dos machos.

Num estudo publicado na PLOS Genetics, os cientistas identificaram os genes provavelmente responsáveis por esta conduta pouco comum.

As diferenças genéticas, embora pequenas, permitem o desenvolvimento dos ovários destas abelhas, a atribuição prévia de dois conjuntos de cromossomas aos seus descendentes e a emissão de um sinal químico que esconde a sua presença enquanto depositam os ovos.

Ao contrário das restantes subespécies, as abelhas da África do Sul podem agir como uma espécie de rainhas e garantir a sua descendência.

Geralmente, a fertilização da abelha rainha por um macho significa o envio de feromonas que esterilizam as restantes abelhas da colmeia.

A auto fertilização pode, contudo, significar a produção de gerações mais vulneráveis.

A reprodução assexual não está exclusivamente ligada a esta subespécie. Alguns "partos virgens" de perus, galinhas, tubarões e repteis já foram documentados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.