Sinais de uma galáxia distante. Descoberta origem de ondas de rádio misteriosas

Várias teorias têm tentado explicar a origem destes sinais - desde vida extraterrestre à formação de buracos negros no espaço

Cientistas descobriram a origem de misteriosas ondas de rádio que têm sido registadas nos últimos anos. As Fast Radio Burst (FRB), como ficaram conhecidas estas frequências, foram detetadas pela primeira vez em 2007 e desde então foram registadas mais 17.

Agora, astrónomos acreditam que pelo menos um destes fenómenos - o FRB 21102 - venha de uma galáxia anã a 2,5 mil milhões de anos-luz de distância e com um décimo do diâmetro da Via Láctea, segundo um relatório publicado na revista Nature. Ao contrário de outras, a FRB 121102 repetiu-se várias vezes ao longo dos anos.

Nos últimos anos surgiram várias teorias que procuravam explicar a origem das FRB. Algumas afirmavam que as ondas são a prova de vida inteligente em outros planetas, outras que as ondas surgiam quando se formava um buraco negro.

"Não estou a exagerar quando digo que há mais teorias sobre o que isto poderia ser do que ondas registadas", disse à BBC, Shami Chatterjee, da Universidade Cornell, Estados Unidos, e um dos autores do estudo.

Para descobrir a origem dos sinais, os cientistas usaram os 27 rádio telescópios que compõe o Very Large Array (VLA) e os 21 telescópios da rede europeia de Very Long Baseline Interferometry (VLBI), segundo o New Scientist. Estes sistemas permitiram localizar as FRB com 100 mil vezes mais precisão do que telescópios individuais.

No ano passado, os cientistas conseguiram captar um destes sinais em tempo real pela primeira vez. Após terem observado o espaço com o VLA durante seis meses, os cientistas descobriram a origem da FRB 121102.

Além disso, os investigadores encontraram também um contínuo e mais fraco sinal de rádio emitido a partir da mesma região. Esta onda de rádio deverá estar a menos de 100 anos-luz de distância da FRB 121102 e que está ligada ao fenómeno das FRB.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.