Descoberta de vida extraterrestre está "muito próxima"

Astrofísico francês acredita que se terá a certeza dentro de 20 a 30 anos

O diretor de Investigação do Centro Nacional de Investigação Científica de França acredita que se está "muito próximo", no máximo 20 a 30 anos, de se obter uma prova da existência de outras formas de vida no Universo.

"Creio que estamos muito próximo. Muito próximo pode ser em alguns anos, no máximo 20 a 30 anos, de finalmente se ter a certeza, a prova definitiva de que outras formas de vida existem no Universo", que, "quase, com toda a probabilidade, serão relativamente primitivas", afirmou Jean-Pierre Luminet, em entrevista à agência noticiosa espanhola Efe.

Para o astrofísico francês, uma tal descoberta abrirá "um debate filosófico e científico e mudará a forma de pensar da Humanidade".

Apesar de esse debate ser "muito mais importante" se a Terra receber "um sinal extraterrestre de uma civilização inteligente", Jean-Pierre Luminet ressalvou que "uma bactéria é vida".

Por isso, defende que "faz falta um trabalho de explicação ao público, para que o impacto da descoberta seja suficientemente importante".

Há um mês, a agência espacial norte-americana NASA anunciou a descoberta de mais de 1.200 planetas fora do Sistema Solar, dos quais nove reúnem condições para albergar vida.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.