Descoberta bactéria listéria em lote de queijos na ilha das Flores

Queijos foram já retirados do mercado

O Governo dos Açores revelou hoje que foi detetada a presença da bactéria "listéria" num lote de queijos produzido na Cooperativa Ocidental, na ilha das Flores, que foram, entretanto, retirados do mercado.

Num esclarecimento publicado hoje pelo Gabinete de Apoio à Comunicação Social (GACS), o executivo açoriano adianta que a bactéria foi encontrada num lote composto por 241 unidades de queijo, com aproximadamente 900 gramas cada, 108 dos quais já tinham sido vendidos.

De acordo com a mesma nota, a Direção Regional de Agricultura decidiu, "de imediato", a "suspensão da venda e recolha de todos os queijos que integram esse lote", bem como a implementação de procedimentos de higienização, com o objetivo de "eliminar potenciais focos" da bactéria.

O executivo açoriano determinou ainda a recolha de amostras nos diversos processos de tecnologia alimentar, desde a receção da matéria-prima até à expedição do produto acabado, no sentido de "eliminar o possível foco de contaminação".

Entretanto, uma equipa técnica da Direção Regional de Agricultura já se deslocou à ilha das Flores, para acompanhar o processo "in loco" e apoiar a Cooperativa Ocidental na "resolução cabal e definitiva desta situação".

"Situações desta natureza são um indicador claro do bom funcionamento dos sistemas de controlo e acompanhamento das unidades de transformação de produtos agroalimentares na região, garantindo assim a confiança e segurança alimentar dos consumidores", conclui o mesmo esclarecimento.

O Governo Regional minimiza eventuais riscos para a saúde pública, por via da venda de queijos contendo a presença da bactéria listéria, mas adianta que o Centro de Saúde das Flores já está em alerta para eventuais casos de contaminação que possam ser detetados nos consumidores.

Últimas notícias

Helena Freitas liderou a Unidade de Missão para a Valorização do Interior (UMVI), uma aposta pessoal do primeiro-ministro, António Costa, para coordenar o Programa Nacional de Coesão do Território (PNCT) e lançar bases sólidas para uma descentralização e reversão das desigualdades entre regiões do país. Mas a catedrática descobriu nos decisores políticos uma "inércia e incapacidade de concretizar brutais". Voltou, em junho passado, à universidade de Coimbra, onde é catedrática e assistiu nesta semana, com "perplexidade", ao caso do Infarmed.

Partilhar

Brand Story

Tui

Mais popular

  • no dn.pt
  • Sociedade
Pub
Pub