Água suja e ratazanas mortas. Interdição de praia "absolutamente necessária"

Delegado regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo diz que "não havia garantias que a água não estivesse contaminada".

O delegado regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo afirmou hoje que a interdição da praia de Carcavelos, em Cascais, foi "absolutamente necessária", uma vez que "não havia garantias que a água não estivesse contaminada".

A praia de Carcavelos, no distrito de Lisboa, está interditada a banhos desde as 09:00 de hoje.

Em declarações à agência Lusa, o delegado regional de Saúde, Mário Durval, responsável pela decisão de interditar os banhos naquela praia, explicou que a medida "foi absolutamente necessária para garantir a segurança dos banhistas".

"Depois de na terça-feira ter chovido como choveu e de nos termos deparado com um cenário em que tínhamos as águas sujas, ratazanas mortas, não hesitei em mandar interditar a praia. Não havia necessidade de correr riscos desnecessários", sublinhou.

A decisão foi tomada sem a realização de análises, que foram, entretanto, solicitadas pela Câmara Municipal de Cascais.

O resultado será conhecido na sexta-feira.

"Se as análises determinarem que não há risco a praia é reaberta. Caso contrário, permanecerá interditada até que os resultados sejam positivos", ressalvou.

Já esta tarde, em declarações à Lusa, o comandante da Polícia Marítima de Cascais, Mário Domingues, perspetivou que a situação pudesse ficar normalizada já na sexta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.