14 batons hidratantes perigosos para a saúde

O estudo realizado pela DECO Proteste revelou que estes produtos para hidratar os lábios contêm "substancias potencialmente perigosas para a saúde", derivadas do petróleo

A DECO Proteste analisou 20 produtos para hidratar os lábios, em stick e sem sabor, adquiridos em supermercados, farmácias, perfumarias e lojas de produtos naturais, e descobriu que 14 desses batons contêm "substâncias potencialmente perigosas para a saúde". A Maybelline, a Labello, a Uriage, a Avène e a Vasenol são algumas das marcas envolvidas.

As substâncias potencialmente perigosas em questão são os denominados hidrocarbonetos, derivados do petróleo e que fazem parte da composição dos óleos minerais.

De acordo com a DECO, "a lei permite a utilização de óleos minerais em cosméticos, se se conhecerem todos os antecedentes de refinação e se se puder provar que a substância a partir da qual foram produzidos não é carcinogénica".

Contudo, a presença deste tipo de substâncias em produtos que podem ser engolidos, como os hidratantes para lábios, é potencialmente perigosa, não devendo fazer parte deste tipo de cosméticos por se suspeitar que são cancerígenas. No estudo realizado, todos os produtos com óleos minerais apresentavam concentrações daquelas substâncias superiores ao recomendado.

Na "lista negra" divulgada pela DECO estão batons das marcas Continente, Aptonia, Labello, Maybelline, Johnson's, Eucerin, Carmex, Vichy, Neutrogena, Avène, La Roche-Posay, Uriage e ainda a vaselina da Vasenol.

O estudo reconheceu ainda três batons de "boa qualidade" e três de "média qualidade", sendo que, a escolha do "Melhor do Teste" e "Escolha Acertada" recaiu sobre o batom Cien Care Baton Hidratante, uma marca do supermercado Lidl.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.