Cuidado com as falsas aplicações do Pornhub que "raptam" telemóveis

Utilizadores não conseguem voltar a usar o aparelho até pagarem aos piratas informáticos

Investigadores da empresa de cibersegurança ESET alertam para um novo método cada vez mais usado por piratas informáticos para levar os utilizadores a descarregarem conteúdos maliciosos e "raptarem" os smartphones. Hackers disfarçam estes malwares, softwares malignos, como aplicações do site pornográfico Pornhub que, quando instaladas no smartphone, apenas deixam o utilizador voltar a controlar o telemóvel mediante um pagamento.

A ESET explicou que este método é facilitado pelo facto de o Google não permitir que aplicações pornográficas sejam descarregadas a partir da Play Store, fazendo com que os utilizadores procurem sites menos confiáveis, segundo o The Next Web.

Os utilizadores muitas vezes acabam por descarregar aplicações do Pornhub que parecem oficiais em outras plataformas, mas quando tentam aceder às mesmas são confrontados com a mensagem de que a aplicação não vai mostrar nenhum vídeo antes de "verificar se há vírus".

Quando os utilizadores escolhem esta opção - a única que aparece, na verdade -, é instalado um randsomware e o dispositivo bloqueia até que sejam pagas 100 bitcoins, uma moeda virtual.

A ESET afirma que várias pessoas têm caído neste esquema e aconselha os utilizadores a confiarem apenas em aplicações disponíveis em plataformas confiáveis e a terem cópias de segurança de todos os ficheiros dos telemóveis.

Caso o smartphone já tenha sido atacado, a ESET aconselha a colocar o telemóvel em Modo Segurança, o que bloqueia algumas aplicações e permite fechar o software maligno. Se o malware afetar a funcionalidade de bloqueio do ecrã será provavelmente necessário formatar o bloqueio de ecrã a partir do Gestor de Dispositivos Android.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".