Cristiano Ronaldo assina petição contra acórdão polémico

Mais de 15 mil pessoas já assinaram petição contra o acórdão do juiz Neto de Moura, da Relação do Porto

Cristiano Ronaldo juntou-se este sábado às mais de 15 mil pessoas que já assinaram uma petição pública contra o polémico acórdão do juiz da Relação do Porto que cita a Bíblia para atacar uma mulher adúltera, que fora vítima de violência doméstica.

O futebolista assinou a petição com a frase: "A violência doméstica é um problema muito grave. As vítimas merecem ser tratadas de forma digna e justa".

A associação feminista Capazes informou através das redes sociais que Cristiano Ronaldo tinha assinado, agradecendo o gesto.

A petição, uma carta aberta ao Conselho Superior de Magistratura, pede à Procuradora-Geral da República que dê instruções ao Ministério Público (MP) no sentido de recorrer do acórdão do Tribunal da Relação do Porto para o Tribunal Constitucional (TC). O pedido é baseado no entendimento de que o acórdão "viola os mais básicos princípios constitucionais".

Entre os primeiros signatários estão associações como a APAV - Associação Portuguesa de Apoio à Vítima e a UMAR - União Mulheres Alternativa e Resposta e ainda as deputadas Isabel Moreira e Catarina Marcelino, esta última secretária da Estado da Igualdade até à semana passada. Também assinaram a petição os presidentes das câmaras de Lisboa e Porto, a título pessoal e sem qualquer referência aos cargos que ocupam.

A associação Capazes entregou já esta semana à PGR um requerimento a solicitar que o Ministério Público recorresse do acórdão da Relação do Porto para o Tribunal Constitucional, mas a Procuradoria já disse ao DN que concluiu não estarem "verificados os pressupostos de recurso para aquele tribunal".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".