Criado primeiro portal português de informação marinha

O site está disponível na quarta-feira, 19 de abril

O primeiro portal português de informação marinha na Internet abre na quarta-feira e já tem disponíveis mais de 5.000 registos sobre espécies, geografia, geologia e pontos de interesse turístico.

A coordenadora do projeto, Teresa Rafael, afirmou que se trata de um portal aberto, cuja informação pode ser atualizada por entidades, instituições como universidades ou empresas que tenham informação de interesse sobre o que existe no mar português.

Toda a informação do Sistema Nacional de Informação do Mar (SNIMar) vem com metadados, descrevendo do que se trata, e sempre com referências geográficas, de modo a saber-se o que há, onde está e onde pode ser acedida.

A gestão do portal será feita pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que admitirá novos parceiros que queiram acrescentar o que sabem.

"Sabemos que Portugal dispõe de um grande volume de informação sobre o nosso mar e zonas costeiras, sobre os nossos recursos marinhos, sobre as várias atividades económicas relacionadas com o mar como a pesca, transportes marítimos ou turismo", indicou a responsável pela Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental, Isabel Botelho Leal, que promoveu o portal.

Com o SNIMar a funcionar, espera-se que seja mais fácil investigar e investir na "economia azul", usando os mares de forma sustentável.

O portal foi criado com dois milhões de euros de fundos do Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu e 325 mil euros do Estado português.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...