Túnel do Marão é vigiado em Almada

Controlo e vigilância do Túnel do Marão foram centralizados em Almada

A operação de controlo e vigilância da segurança e tráfego no Túnel do Marão foi centralizada no Centro de Controlo e Informação de Tráfego (CCIT) da Infraestruturas de Portugal (IP), em Almada, informou a empresa.

A Autoestrada do Marão, que concluiu o prolongamento da A4 de Amarante a Vila Real e inclui um túnel rodoviário de 5,6 quilómetros, abriu ao trânsito a 8 de maio, aproximando o Interior do país do Litoral.

Durante este período, a vigilância e controlo do tráfego foi feita diretamente da sala de operações, instalada num edifício na entrada do lado de Amarante, onde estiveram permanentemente dois operadores atentos às informações recolhidas pelas 124 câmaras espalhadas pela estrutura.

A empresa explicou que a Teixeira Duarte foi a empresa responsável pela construção do Túnel do Marão, empreitada que incluiu a instalação dos equipamentos de segurança e vigilância existentes.

"Tendo como fundamento o conhecimento detido pela Teixeira Duarte, bem como responsabilidade pelo bom funcionamento destes equipamentos, foi contratada a esta empresa, por um período máximo de seis meses findado a 15 de novembro, a prestação do serviço de operação e manutenção ativa do Túnel do Marão", explicou.

Agora, acrescentou a fonte, "conforme o previsto e cumprido este período" e, numa "lógica de gestão e otimização de recursos", a operação passou para Almada.

A empresa sublinhou que o CCIT, criado em 1998, dispõe de tecnologia "de qualidade e técnicos com vasta experiência, que monitorizam em tempo real as condições de circulação rodoviária nos principais eixos rodoviários nacionais de Norte a Sul do país".

"O nível de disponibilidade do serviço e a segurança dos milhares de automobilistas que diariamente circulam no Túnel do Marão mantém-se com elevada qualidade, garantido pelas carrinhas de apoio que circulam neste troço da A4 e reforçado agora pela qualidade do trabalho do CCIT da IP", frisou a fonte.

A média de veículos que por dia atravessam o túnel é de 11 mil

Segundo a empresa, no local, mantém-se ativo o centro operacional existente com permanência de colaboradores da IP que, em situações excecionais de necessidade, poderão inclusive reassumir a vigilância e operação do empreendimento do Marão.

Nos primeiros seis meses de funcionamento, atravessaram o maior túnel rodoviário da Península Ibérica perto de 2,1 milhões de veículos e a receita com portagens rondou os 3,6 milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.