Contágio emocional. Felicidade e tristeza pegam-se como a gripe

Sentir o que os outros sentem é comum e muitas vezes inconsciente. Sucesso ou medo podem ser contagiados pelos mais próximos

Não é uma gripe, mas pode dizer-se que se contagia como tal. As emoções das outras pessoas, sobretudo as que nos são mais próximas, podem influenciar as nossas. Um mecanismo muitas vezes inconsciente que nos faz sentir alegres ou confiantes quando alguém de quem gostamos se sente assim, ou invadidos pelo medo e pela tristeza. Mas o contágio emocional, assim é chamado pela psicologia, também pode dar-se com acontecimentos extraordinários que nos fazem pensar, como os atentados de Paris.

"As emoções são contagiosas, parecem um fenómeno que apanha todos. Pode ser um fenómeno social explícito, em que é uma procura consciente de sentir o mesmo, como acontece com um jogo de futebol, pode ser social implícito em que não há consciência ou um fenómeno quase biológico, que não se percebe mas que acontece com a química da atração", explica ao DN o psicólogo Vítor Coelho.

Nos últimos anos vários investigadores, sobretudo ligados a universidades norte-americanas, têm estudado este contágio e a forma como as emoções dos outros influenciam as nossas. Caso do psicólogo da Universidade de Chicago, John Cacioppo, que refere num estudo que as pessoas que estão perto de outras que se sentem solitárias acabam por assumir essa sensação de falta de companhia. Também os investigadores Lisa Neff, da Universidade do Texas, e Benjamin Karney, da Universidade da Califórnia, estudaram o mesmo fenómeno em casais e como o stress influenciava o parceiro.

O sucesso que se pega

Os sentimentos bons também se pegam. "No caso do êxito também se aplica o contágio emocional. A razão é básica: as pessoas procuram as emoções positivas. Por exemplo, quem é vizinho do casal que ganhou o euromilhões vai querer falar disso. Procurar o sucesso faz-nos sentir bem connosco próprios. Há a forma como nos vemos, a autoestima, e a forma como gostaríamos de nos ver. Mesmo que seja inconscientemente", refere o psicólogo Vítor Coelho.

O mesmo acontece com pessoas que vivem juntas. "É a mimetização. Há uma sincronização inconsciente. Pessoas que moram juntas e que ficam com os tiques dos outros, que andam e falam da mesma maneira. Na paixão nota--se mais. Embora existam outras que querem partilhar os gostos", acrescenta, dando ainda mais um exemplo de partilha de emoções, embora mais consciente: "É o sentimento por osmose, em que nos associamos a outros, caso de um jogo de futebol ou pertencer a um clube, em que há partilha de vários elementos."

O contágio do medo e da angústia

O contágio das emoções também acontece com a angústia e com o medo. Os atentados em Paris são o exemplo mais recente. "Somos mais sensíveis às emoções das pessoas que nos são próximas, como o que aconteceu com os atentados. Há uma proximidade física, geográfica, de identificação de valores. Depois há também o pensamento atribucional, quando uma coisa muito importante ou relevante nos obriga a pensar nela. Quando vivemos o nosso dia-a-dia normal não esperamos ser arrastados pela tragédia ou por uma situação de pânico. São situações muito importantes que nos levam a pensar sobre aquilo, a refletir. Também somos contagiados pelo que os outros esperam de nós", diz Vítor Coelho.

Doenças imaginárias

São vários os casos de reações em massa sem explicações clínicas. Segundo vários investigadores não é preciso uma causa física para que as pessoas se sintam doentes. Entre alguns dos exemplos mais conhecidos está o caso de um grupo de 20 adolescentes que em 2012 mostrou sintomas semelhantes ao da síndrome de Tourette (um transtorno que se caracteriza por vários tiques de origem hereditária). O diagnóstico foi psicose coletiva. De acordo com a investigadora Martínez Selva, citada num artigo do jornal espanhol El País, são estas transmissões emocionais de psicose coletiva que podem levar pessoas a cometer atos violentos.

Há outros casos como ataques de comichão, um pouco à semelhança do que acontece com o bocejo, em que alguém se coça e a reação automática é sentir também comichão. O fenómeno foi estudado por um grupo de dermatologistas estrangeiros, que apontaram os neurónios-espelho como possíveis responsáveis por esta imitação.

O stress aqui ao lado

O stress dos outros é igualmente contagioso. Quando alguém está ansioso, nervoso, é normal que quem está ao seu lado tenha a mesma sensação. Acontece no trabalho e em casa, entre casais. Alguns estudos mostram que os homens acabam por ser mais afetados do que as mulheres, no último caso. A emoção pode ter consequências físicas, levando por exemplo a comportamentos mais compulsivos como exagerar na quantidade de comida ingerida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.