Consumo de comida ultraprocessada pode aumentar risco de cancro

O consumo de alimentos frescos e minimamente processados, como vegetais, frutas, arroz, massas ou carne fresca, foi associado a um menor risco geral de cancro

O consumo de alimentos ultraprocessados, como refrigerantes, cereais ou bolos industriais, pode aumentar o risco de cancro, de acordo com um estudo publicado hoje no British Medical Journal (BMJ).

Os especialistas da Universidade francesa de Sorbonne e da Universidade de São Paulo, no Brasil, que desenvolveram o estudo, este tipo de alimento é 50% do consumo da dieta de uma pessoa em alguns países desenvolvidos.

Os investigadores observaram um acréscimo de 10% no consumo de alimentos altamente processados e que foi associado a um aumento de 12% no risco de cancro, especialmente o cancro da mama no caso das mulheres, acrescenta o jornal.

As conclusões basearam-se numa sondagem a 104.980 adultos franceses saudáveis, com idade média de 43 anos, que foram analisados pelo consumo de até 3.300 diferentes tipos de alimentos.

Os alimentos foram agrupados de acordo com o nível em que foram processados e os adultos foram convidados a indicar se, em qualquer momento, tinham sido diagnosticados com cancro.

Os investigadores também levaram em consideração fatores de risco como idade, género ou se eram fumadores e tinham história familiar de cancro.

Embora tenha sido encontrada uma associação entre alimentos processados e cancro, não houve vínculo significativo no caso de alimentos menos processados, como legumes enlatados, queijos ou pão fresco.

O consumo de alimentos frescos e minimamente processados, como vegetais, frutas, arroz, massas ou carne fresca, foi associado a um menor risco geral de cancro, segundo os especialistas.

"Até onde sabemos, este estudo é o primeiro a investigar e destaca o aumento do risco global de cancro - e especificamente da mama - associado ao consumo de alimentos ultraprocessados", observam os autores.

Os investigadores ressalvam, no entanto, que é um estudo apenas de observação e não há conclusões definitivas sobre o vínculo entre esses alimentos e o cancro.

Esses alimentos geralmente contêm altos níveis de gordura saturada, açúcar e sal e menos fibras.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.