Comunidades académicas do Norte vão disponibilizar 1 500 bicicletas a alunos

Ações de sensibilização e promoção da mobilidade sustentável e energeticamente eficiente estão a ser desenvolvidas em paralelo

As comunidades académicas da região Norte vão adquirir quase 1 500 bicicletas, das quais 1 119 elétricas, no âmbito do Projeto U-Bike Portugal do 2020 cujo objetivo é alterar comportamentos e levar os alunos a deixar de usar motorizadas.

Com esta iniciativa, estima-se que até 2018 sejam percorridos, no Norte, 1 119 691 quilómetros pela população aderente a este meio de transporte e, consequentemente, seja conseguida uma economia de energia de 58,81 toneladas equivalentes de petróleo.

Inserido no Portugal 2020, o POSEUR (Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos) lançou o no ano passado concurso para o Projeto U-Bike Portugal - Promoção de Bicicletas Elétricas e Convencionais nas Comunidades Académicas que, segundo resultados divulgados no início do mês, aprovou 15 projetos a nível nacional, no total de 4,8 milhões de euros.

Só na região Norte foram aprovados 2,2 milhões de euros para as candidaturas do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (200 bicicletas), Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (130 bicicletas), Instituto Politécnico do Porto (200 bicicletas), Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (300 bicicletas), Universidade do Minho (340 bicicletas) e Universidade do Porto (265 bicicletas).

Paralelamente serão desenvolvidas ações de sensibilização e promoção da mobilidade sustentável e energeticamente eficiente, com vista a abranger 52.700 indivíduos das comunidades académicas do Norte.

O concurso para o U-Bike Portugal foi lançado em novembro de 2015, encerrou em maio de 2016 e, segundo o aviso disponível na página de Internet dedicada ao POSEUR, trata-se de um "projeto nacional de promoção da mobilidade suave, com enfoque na bicicleta, em particular a elétrica, e incidindo, numa primeira fase, nas camadas mais jovens da população, os universitários".

O objetivo passa por "alterar os comportamentos relativos às opções de mobilidade, nomeadamente a opção por modos suaves em detrimento do uso do transporte individual motorizado".

A escolha do meio universitário para iniciar este projeto é justificada com a "constatação" de que os alunos universitários "constituem um grupo chave para uma aposta sustentável na alteração de hábitos de deslocação, apresentando, uma maior sensibilidade para a adesão a novas experiências".

Para além disso, "as instituições de ensino superior constituem polos fundamentais de geração e atração de viagens, estando localizadas por todo o território nacional sendo responsáveis direta e indiretamente por muitas viagens e mobilizando um conjunto significativo de população, o que contribui para um efeito de escala do projeto".

O projeto U-Bike Portugal surgiu também como resposta às obrigações legais ao nível da redução de consumo de energia, cumprindo com os objetivos do Plano Nacional de Ação para a Eficiência Energética e do Compromisso para o Crescimento Verde.

A nível nacional, serão adquiridas 3.234 bicicletas, 2.096 elétricas e 1.138 convencionais, com o objetivo de, até ao ano de 2018, serem percorridos mais de 2.412.141 quilómetros e economizadas 166,34 toneladas equivalentes de petróleo.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.