Compraram casas de luxo mas não conseguem dormir por causa do lixo

Caso suscitado por moradores do Cidadela Parque já chegou ao Supremo

Pagaram cerca de 500 mil euros para viver num condomínio de luxo, mas perceberam que, além de piscina, ginásio e mini-campo de golfe, também têm o ruído dos camiões do lixo. O caso, suscitado por alguns moradores do condomínio Cidadela Parque, em Cascais, já chegou ao Supremo Tribunal de Justiça, que reverteu uma decisão do Tribunal da Relação, que havia mandado suspender a atividade da estação de resíduos urbanos das imediações entre as 20:00 e as 7:00, conta hoje o jornal Público.

De acordo com esta publicação, quando o condomínio foi construído, em terrenos vendidos pela autarquia, já a estação de resíduos urbanos ali existia. Só que, segundo um dos moradores disse ao Público, a área de implantação da estação aumentou desde então. Bem como o ruído.

Conta o Público que o barulho começa às 5:00 e dura duas horas, até à saída dos camiões para a rua. Ouvem-se os funcionários a falar uns com os outros, os motores das viaturas, os apitos do aviso de marcha-atrás.

A empresa tinha sido condenada, em primeira e segunda instâncias, a cessar laboração entre as 20:00 e as 7:00, mas agora, avança o Público, o Supremo decidiu permitir a laboração. Obrigou contudo a empresa Municipal de Ambiente de Cascais e evitar o ruído, quer através de alterações na organização dos trabalhos, quer na instalação de equipamento que funcione como barreira sonora.

Segundo o administrador da empresa, Guilherme Rodrigues, disse ao Público, já haviam sido implementadas medidas antes da decisão do Supremo.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.