Compraram casas de luxo mas não conseguem dormir por causa do lixo

Caso suscitado por moradores do Cidadela Parque já chegou ao Supremo

Pagaram cerca de 500 mil euros para viver num condomínio de luxo, mas perceberam que, além de piscina, ginásio e mini-campo de golfe, também têm o ruído dos camiões do lixo. O caso, suscitado por alguns moradores do condomínio Cidadela Parque, em Cascais, já chegou ao Supremo Tribunal de Justiça, que reverteu uma decisão do Tribunal da Relação, que havia mandado suspender a atividade da estação de resíduos urbanos das imediações entre as 20:00 e as 7:00, conta hoje o jornal Público.

De acordo com esta publicação, quando o condomínio foi construído, em terrenos vendidos pela autarquia, já a estação de resíduos urbanos ali existia. Só que, segundo um dos moradores disse ao Público, a área de implantação da estação aumentou desde então. Bem como o ruído.

Conta o Público que o barulho começa às 5:00 e dura duas horas, até à saída dos camiões para a rua. Ouvem-se os funcionários a falar uns com os outros, os motores das viaturas, os apitos do aviso de marcha-atrás.

A empresa tinha sido condenada, em primeira e segunda instâncias, a cessar laboração entre as 20:00 e as 7:00, mas agora, avança o Público, o Supremo decidiu permitir a laboração. Obrigou contudo a empresa Municipal de Ambiente de Cascais e evitar o ruído, quer através de alterações na organização dos trabalhos, quer na instalação de equipamento que funcione como barreira sonora.

Segundo o administrador da empresa, Guilherme Rodrigues, disse ao Público, já haviam sido implementadas medidas antes da decisão do Supremo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.