Como acabar com a fome? Dar poder às mulheres

"As mulheres, quando têm dinheiro, investem na educação e na saúde dos filhos. Sabemos que investir nas mulheres e na agricultura cria milhões de empregos", afirma ativista sul-africano

O ativista sul-africano Jay Naidoo, responsável de uma organização multinacional que combate a desnutrição, defende que a aposta na agricultura e na capacitação das mulheres permitirá acabar com a fome e a pobreza em África.

África detém 60 por cento da área cultivável livre no mundo, mas 242 milhões de africanos "vão deitar-se com fome hoje", disse, em entrevista à Lusa, o antigo político sul-africano, durante o "Fim de Semana da Governação Ibrahim", que termina esta noite em Marraquexe, Marrocos.

Jay Naidoo, antigo ministro das Comunicações do executivo de Nelson Mandela, é presidente da Aliança Global para uma Nutrição Melhorada (GAIN, na sigla em inglês), membro da direção da Fundação Mo Ibrahim e consultor de vários organismos internacionais, incluindo da UNESCO e do comité do secretário-geral das Nações Unidas para a nutrição.

"Temos a capacidade de nos alimentar e de alimentar o mundo", referiu, comentando que 90% da produção agrícola em África é da responsabilidade das mulheres, mas também são elas as mais afetadas pela fome, porque em muitos casos não têm direito a deter a terra ou a contrair empréstimos.

"É preciso capacitar as mulheres. Sabemos que resolveremos a fome em África. Sabemos que as mulheres, quando têm dinheiro, investem na educação e na saúde dos filhos. Sabemos que investir nas mulheres e na agricultura cria milhões de empregos para o nosso povo em África e resolve a pobreza, além de melhorar a qualidade de vida das pessoas", afirmou Naidoo.

Durante três dias, a Fundação Mo Ibrahim, que há dez anos se dedica a colocar o tema da governação no centro do debate sobre África, reuniu políticos, responsáveis de organizações multilaterais e regionais, e representantes do mundo empresarial e da sociedade civil para debater o tema "África num ponto de viragem".

Para Naidoo, um dos principais problemas é África "continuar a agir como 54 países e não como um continente".

"Temos a riqueza do mundo, mas não a exploramos para beneficiar o povo africano. Somos muito ricos abaixo do solo, mas o nosso povo é pobre", disse, acrescentando que "o tema da governação tem a ver com construir uma agenda africana, que coloque o povo africano no centro".

"Não precisamos de Messias que venham do norte, não precisamos de celebridades que pensam que vêm e conseguem resolver os problemas e salvar os pobres africanos de si próprios. Temos de olhar para nós próprios. Nós temos a capacidade intelectual, temos a riqueza mineral, temos o povo. Temos tudo para gerar uma genuína solução africana", sustentou.

Num livro que acaba de lançar, "Change", advoga a necessidade de "fazer a ligação entre cabeça, coração e espírito, de que Mandela falava" e voltar a pôr "humanidade nas vidas, na política, nos negócios".

"Na nossa vida louca para atingir o sucesso, entrámos numa trajetória de consumo, a custo de tudo o que é sagrado neste mundo, incluindo o ambiente. Temos de mudar e fazer o que está correto", refere.

Para Naidoo, o mundo atravessa "uma transformação", e nestes tempos voláteis, é preciso "agir com o coração para tomar as decisões corretas".

Realidades como a eleição de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos, o crescimento do populismo de direita no mundo ou a subida da "presidência divina, em que os presidentes acreditam que são um presente de Deus para as pessoas" são, na opinião do responsável, "uma aberração que o mundo vai ultrapassar".

"O facto de termos estas pessoas, que representam dos piores aspetos dos seres humanos, une-nos. Une os jovens, pessoas do norte, do sul, do leste e do ocidente, que procuram um caminho diferente. Se compreendermos que só há uma raça humana, começamos a repensar em soluções para o futuro, que são baseadas na paz, na justiça, na generosidade, em nos preocuparmos uns com os outros, em vez de guerra, conflito ou agressão, em particular sobre mulheres e jovens", sustentou.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.