Comissão para a Igualdade de Género vai colaborar com a Porto Editora na criação de materiais infantis

Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género vai trabalhar com a editoria para a produção de materiais dirigidos a crianças

A Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG) e a Porto Editora vão trabalhar juntas na produção de materiais específicos para crianças que promovam a igualdade entre homens e mulheres, anunciam esta segunda-feira as duas entidades.

Num comunicado conjunto, CIG e Porto Editora adiantam que estiveram reunidas, apesar de não dizerem quando, e que dessa reunião saiu o compromisso de "trabalhar em conjunto na produção de materiais dirigidos a crianças, integrando abordagens promotoras da cidadania e igualdade de género".

"Ambas as entidades assumiram o compromisso (...) de desenvolverem, em estreita colaboração, conteúdos que fomentem uma educação promotora de igualdade de oportunidades e do desenvolvimento das diferentes capacidades e talentos de todas as crianças", lê-se no comunicado.

Dessa forma, CIG e Porto Editora pretendem contribuir para "a construção de uma sociedade em que mulheres e homens exercem uma cidadania plena".

Além disso, concordaram também em continuar a investir na promoção destes valores, sublinhando que a eficácia dessa promoção "é tanto ou mais eficaz se for feita em articulação com a garantia das liberdades de expressão e de edição".

No final do mês de agosto, a CIG recomendou à Porto Editora que retirasse do mercado dois manuais com blocos de atividades, para crianças dos quatro aos seis anos, um com capa azul para os meninos, e o outro em cor-de-rosa para as meninas, por terem atividades distintas consoante o género, o que, para a CIG, promovia a diferenciação entre homens e mulheres.

A recomendação foi acatada pela Porto Editora, logo no mesmo dia, tendo a editora suspendido a venda dos manuais e anunciado que estava disponível para trabalhar com a CIG no sentido de rever os exercícios que pudessem ser discriminatórios ou desadequados.

A polémica com os dois manuais com blocos de exercícios começou nas redes sociais, tendo a editora negado, na sua página do Facebook, as acusações de discriminação de género e preconceito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.