Começou em 1998 e já deu 100.000 voltas à terra

Estação Espacial Internacional deu hoje 100.000.ª volta à Terra

A Estação Espacial Internacional (ISS), modelo de cooperação espacial entre Rússia e Estados Unidos, deu hoje a 100.000.ª volta à Terra desde que foi colocada em órbita, em novembro de 1998, anunciou o Centro de Controlo de Voos (Tsoup).

A 100.000.ª "volta da estação em torno do nosso planeta ocorreu das 07:35 às 09:10 de Moscovo (entre as 05:35 e as 06:10 de Lisboa), declarou o Tsoup, situado perto da capital russa, em comunicado.

A história da ISS, que sucedeu à estação orbital russa Mir, voluntariamente destruída em março de 2001, começou a 20 de novembro de 1998, com a colocação em órbita do primeiro módulo russo, Zaria (Madrugada).

A ISS, cujo custo total, avaliado em 100 mil milhões de dólares (cerca de 88 mil milhões de euros), é em grande parte financiado pelos Estados Unidos, é ocupada em permanência desde novembro de 2000 por tripulações conjuntas designadas como "Expedições" que se rendem, em média, de quatro em quatro ou seis em seis meses.

A estação está em órbita a uma altitude de cerca de 370 quilómetros acima da Terra e efetua uma volta completa ao planeta em pouco mais que 90 minutos, à velocidade de 28.000 quilómetros por hora.

Dezasseis países participaram na sua construção, entre os quais Estados Unidos, Rússia, Japão, Canadá, Brasil e 11 países europeus.

Concluída em 2011, a sua superfície é equivalente à de um grande estádio de futebol. Tem cerca de 88 metros de comprimento e 108 metros de largura e pesa mais de 450 toneladas.

As naves russas Soyouz são os únicos meios para enviar cosmonautas para a ISS desde o fim do programa espacial norte-americano, em 2011.

Mais de 220 "turistas do espaço" de 18 nacionalidades, entre os quais franceses, italianos e alemães, viajaram e estiveram instalados nesse entreposto orbital.

A atual tripulação, a Expedição 47, é comandada pelo norte-americano Timothy Kopra e composta pelo seu compatriota Jeff Williams, pelo britânico Tim Peake e pelos russos Iuri Malenchenko, Alexeï Ovchinin e Oleg Skripochka.

A duração da utilização da ISS foi prolongada no ano passado para, pelo menos, até 2024.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.