Colapso da autoestrada. Ponte militar entre EN111 e A14 para a semana

Brisa anuncia medida que permitirá escoar um pouco mais o tráfego enquanto duram as obras

A Brisa e a Câmara Municipal da Figueira da Foz acordaram fazer uma ligação provisória entre a EN 111 e a A14 na próxima semana, através de uma ponte militar, anunciou hoje a Brisa, em comunicado.

A ligação provisória entre a EN 111 e A14 - Autoestrada Figueira da Foz-Coimbra, será estabelecida ao km 12, com o objetivo de "aumentar a capacidade do sistema de ligações rodoviárias alternativas entre a Figueira da Foz e Coimbra, até estar restabelecida a circulação na A14, entre os nós de Vila Verde e de Montemor, minorando os inconvenientes para as populações locais e para o tráfego em geral", afirma a Brisa.

A ligação provisória (adicional) será assegurada por uma ponte militar, "fornecida pela arma de Engenharia do Exército, que facultará a passagem numa única via e em sentidos alternados, entre a EN111 e a A14", explica a Brisa, acrescentando que a solução deverá entrar em vigor entre o dia 12 e o dia 14 deste mês.

O pavimento da A14 colapsou no dia 02 deste mês, devido à derrocada de uma conduta, com tubagens utilizadas na passagem de um rio.

O Expresso publica hoje um artigo em que uma fonte da Brisa explica que, "no outono passado, a inspeção da Brisa detetou que a passagem hidráulica estava em risco" e que, na altura, "a empresa recorreu ao escoramento metálico para reforçar as condutas".

"A avaliação da Brisa era que, com as escoras, seria possível refazer o pavimento sem interromper a circulação", adianta o artigo, no qual a Brisa diz não aceitar culpas no caso da derrocada da conduta que levou ao colapso do pavimento, considerando a sua atuação "inatacável" e invocando "o caráter aleatório e imprevisível" do comportamento dos elementos construtivos".

A empresa defende que terá sido uma súbita e brusca variação de pressão nas condutas a provocar a derrocada da estrutura

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.