CML prepara-se para indemnizar empresa que fazia obras na 2.ª Circular

Vêm aí os primeiros custos à suspensão dos trabalhos. Júri do concurso diz que todo o processo é nulo

A Câmara Municipal de Lisboa prepara-se para acertar uma compensação com a empresa que estava a fazer as obras na 2.ª Circular e que vê agora os trabalhos suspensos devido a um alegado conflito de interesses do projetista de pavimentos. Questionada pelo DN, a autarquia afirmou que "iniciará em breve diálogo com a empresa" e que "respeitará e seguirá todas as tramitações legais aplicáveis." Ao que o DN apurou, a solução para este cancelamento das obras em curso não está fechada. Mas um dado é certo: a pavimentação da via, prevista no contrato, vai ficar por fazer. E isso é sinónimo de incumprimento por parte da entidade adjudicante.

A obra em curso corresponde a um troço entre o nó do RALIS e a Avenida de Berlim e, de acordo com o concurso público lançado em março pela autarquia, tem um custo previsto de 745 603 euros. Fernando Medina afirmou na última sexta-feira que, face aos "indícios de conflito de interesses" identificados pelo júri do concurso, a empreitada já em curso será suspensa. Pedro Costa Gonçalves, advogado especialista em direito administrativo, não tem dúvidas: se a obra contratualizada for anulada "não há volta a dar", a Câmara de Lisboa "tem de pagar indemnização sobre aquilo que a empresa deixou de ganhar". Ou, por exemplo, pagar toda a empreitada, apesar de ela não se realizar.

Dúvidas sobre ilegalidade

Onde este professor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra já tem dúvidas é quanto às razões para a decisão da autarquia, que suspendeu a primeira fase das obras e anulou o concurso público internacional para a segunda fase. Sublinhando não conhecer os pormenores deste caso em concreto, Pedro Costa Gonçalves diz não ver conflito de interesses no facto de um projetista ser também um fabricante e comercializador do material usado numa obra, a não ser que este "tenha um monopólio absoluto de venda". Caso contrário, se esse produto puder ser adquirido a outra empresa, no mercado nacional ou internacional, "não há ilegalidade", sustenta Pedro Costa Gonçalves. A não ser, volta a sublinhar, que a empresa em causa "tenha patenteado o exclusivo da fabricação" daquele componente a nível mundial.

Se a empresa é ou não a comercializadora exclusiva do tipo de pavimento que sugeriu para a 2.ª Circular, essa é uma questão a que o júri do concurso não responde. Mas, de acordo com o relatório que sustentou a decisão da autarquia de travar toda a obra de requalificação da 2.ª Circular, o júri encontrou "fortes indícios para afirmar que existe coincidência entre o projetista do projeto de pavimentação e a fabricação e/ou comercialização do aditivo RAR, a incorporar na mistura betuminosa a aplicar na 2.ª Circular", um "verdadeiro conflito de interesses" - o suficiente para considerar que se está perante um caso jurídico de "nulidade".

Projetista, fabricante, comercial

No documento, a que o DN teve acesso, o júri considera que a empresa projetista em causa - a Consulpav - "impôs" um tipo de pavimento, fabricado e comercializado pela própria empresa, e não admitindo qualquer outra solução para o novo piso da 2.ª Circular. "Sempre que foi perguntado se eram admitidas soluções alternativas ao aditivo RAR, sempre foi considerado pelo projetista que não eram admitidas propostas variantes, nomeadamente quanto a materiais", refere o relatório. Que volta à mesma ideia: "Ficou expresso no concurso que a possibilidade de substituição do RAR por outro aditivo estava vedada."

Empresa projetista só admitia um tipo de piso que a própria fabricava

A empresa autora do projeto de pavimentos, a Consulpav, diz no seu site que o aditivo em causa - RAR (industrialmente conhecida como RuBind) - é um "ligante betuminoso modificado com borracha melhorado" e que é "resultante de investigação realizada no laboratório da Consulpav". Segundo uma das empresas concorrentes e que reclamou do concurso, citada no relatório, a Consulpav é mesmo a única que "comercializa, em exclusividade em território nacional, a solução de pavimentação betuminosa" prevista para a 2.ª Circular. O júri não confirma, por si, esta alegação.

O registo de atos societários da empresa integra uma alteração, datada de 26 de janeiro deste ano, em que a Consulpav acrescenta ao "planeamento, projeto e consultoria de pavimentos rodoviários", duas novas atividades - o "fabrico e comercialização de borracha distendida e reagida proveniente da valorização de borracha reciclada de pneus de carros ou camiões".

A Consulpav respondeu esta terça-feira ao DN, pela voz do sócio-gerente Jorge Barreiras Sousa, que não fará por agora quaisquer comentários.

Intervenções "cirúrgicas"

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, desvalorizou esta terça-feira as críticas que têm sido feitas ao cancelamento das obras. "Primeiro diziam que estava a fazer obras por motivos eleitoralistas, agora dizem que não faço obras por questões eleitoralistas", afirmou, citado pela agência Lusa. O autarca disse também que já pediu para ser feito um levantamento dos locais onde podem ser feitas intervenções cirúrgicas, defendendo que a 2.ª Circular tem problemas de pavimento, de drenagem, de segurança e de sinalização.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".