Clube português vandalizado: "Morte aos portugueses. Viva a FN"

A cidade e a Frente Nacional vão apresentar queixa

A sede do Clube Português de Brie-Comte-Robert, a sudeste de Paris, foi vandalizada na noite de terça para quarta-feira. Na fachada do clube e de associação de solidariedade social, a Restos, foram escritas as frases "Morte aos portugueses", "Morte aos estrangeiros" e aos "ciganos" e ainda "Viva a FN [Frente Nacional]".

As inscrições, pintadas a encarnado e acompanhadas pela cruz suástica, foram escondidas logo na quarta-feira, já que as autoridades locais mandaram pintar a fachada. Apesar de o clube português não tencionar apresentar queixa, a própria cidade optou por fazê-lo.

O nome do representante local da Frente Nacional, Morgann Vanacker?, também estava escrito na parede, mas Vanacker nega que os ativistas do partido sejam responsáveis pelas inscrições. "Vou fazer queixa porque os autores estão a envolver o nosso partido, a persegui-lo. Mas eles estão completamente enganados, não somos racistas", firmou, citado pelo Le Parisien.

A Frente Nacional, de Marine Le Pen, venceu primeira volta das eleições regionais francesas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.