Aquecimento global está a tornar doentios os oceanos do mundo

Nível de oxigénio está a diminuir e a prejudicar os recifes de corais

O aquecimento global está a tornar doentios os oceanos do mundo, a reduzir-lhes o oxigénio e a prejudicar mais frequentemente os recifes de corais, apontaram esta sexta-feira dois estudos.

Os menores níveis de oxigénio estão a tornar a vida marinha muito mais vulnerável, indicaram os investigadores.

O oxigénio é crucial para quase toda a vida nos oceanos, exceto para uns pequenos micróbios.

"Se você não puder respirar, nada mais interessa. Isto resume tudo", afirmou a principal autora de um dos estudos, a ecologista marinha Denise Breitburg, do Smithsonian Environmental Research Center, detalhando que "à medida que os mares estão a perder oxigénio, há áreas que se tornam inabitáveis para muitos organismos".

Breitburg integrou um grupo de cientistas, organizado pela Organização das Nações Unidas, que apurou que a descida dos níveis de oxigénio está a agravar-se, sufocando vastas áreas, e a revelar-se um problema mais complexo do que pensado inicialmente.

Um segundo estudo apurou que a descoloração severa provocada por águas mais quentes está a afetar os normalmente coloridos recifes de corais quatro vezes mais do que se admitia há algumas décadas.

Estes dois estudos saíram na edição na edição de quinta-feira da revista Science.

Tudo junto, há mais de 32 milhões de quilómetros quadrados de oxigénio com baixos níveis de oxigénio a uma profundidade de 200 metros, segundo cientistas da Rede de Oxigénio do Oceano Global (Global Ocean Oxygen Network). Esta área é superior à dos continentes de África ou América do Norte e aumentou 16% desde 1950.

Este estudo é o mais alargado feito até hoje sobre a perda de oxigénio nos mares do mundo.

"O problema da redução de oxigénio é o maior desconhecido entre as consequências das alterações climáticas", realçou Lisa Levin, coautora do estado e professora de oceanografia biológica, na Scripps Institution of Oceanography.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".