Aquecimento global está a tornar doentios os oceanos do mundo

Nível de oxigénio está a diminuir e a prejudicar os recifes de corais

O aquecimento global está a tornar doentios os oceanos do mundo, a reduzir-lhes o oxigénio e a prejudicar mais frequentemente os recifes de corais, apontaram esta sexta-feira dois estudos.

Os menores níveis de oxigénio estão a tornar a vida marinha muito mais vulnerável, indicaram os investigadores.

O oxigénio é crucial para quase toda a vida nos oceanos, exceto para uns pequenos micróbios.

"Se você não puder respirar, nada mais interessa. Isto resume tudo", afirmou a principal autora de um dos estudos, a ecologista marinha Denise Breitburg, do Smithsonian Environmental Research Center, detalhando que "à medida que os mares estão a perder oxigénio, há áreas que se tornam inabitáveis para muitos organismos".

Breitburg integrou um grupo de cientistas, organizado pela Organização das Nações Unidas, que apurou que a descida dos níveis de oxigénio está a agravar-se, sufocando vastas áreas, e a revelar-se um problema mais complexo do que pensado inicialmente.

Um segundo estudo apurou que a descoloração severa provocada por águas mais quentes está a afetar os normalmente coloridos recifes de corais quatro vezes mais do que se admitia há algumas décadas.

Estes dois estudos saíram na edição na edição de quinta-feira da revista Science.

Tudo junto, há mais de 32 milhões de quilómetros quadrados de oxigénio com baixos níveis de oxigénio a uma profundidade de 200 metros, segundo cientistas da Rede de Oxigénio do Oceano Global (Global Ocean Oxygen Network). Esta área é superior à dos continentes de África ou América do Norte e aumentou 16% desde 1950.

Este estudo é o mais alargado feito até hoje sobre a perda de oxigénio nos mares do mundo.

"O problema da redução de oxigénio é o maior desconhecido entre as consequências das alterações climáticas", realçou Lisa Levin, coautora do estado e professora de oceanografia biológica, na Scripps Institution of Oceanography.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.