Cinco dos 12 arguidos detidos por vários crimes ficam em prisão preventiva

Arguidos praticaram diversos assaltos a automóveis, casas e estabelecimentos comerciais na área da grande Lisboa

Cinco dos 12 arguidos detidos e interrogados judicialmente na sexta-feira por associação criminosa, roubo, furto, recetação, tráfico e mediação de armas, entre outros crimes, ficaram em prisão preventiva, divulgou hoje o Ministério Público.

Segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), cinco dos arguidos ficaram em prisão preventiva e, os demais, sujeitos às medidas de obrigação de apresentação diária à autoridade policial da área das suas residências e de proibição de contactos com os outros arguidos.

Segundo os "fortes indícios recolhidos" pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Sintra e pela PJ, dois dos arguidos, em data anterior a 25 de janeiro de 2016, criaram um grupo organizado para se dedicar à prática de crimes contra o património, ao qual aderiram posteriormente os demais arguidos.

No âmbito da atividade organizada, os arguidos, que atuaram na área da grande Lisboa e na margem sul, até ao passado dia 06, praticaram diversos assaltos a automóveis, casas de residência e estabelecimentos comerciais.

No mesmo período, os arguidos abordaram ainda diferentes pessoas, especialmente vulneráveis, designadamente em razão da idade avançada, às quais, usando de violência ou ameaças, desapossaram dos pertences que tinham na sua posse.

De acordo com a PGDL, foram realizadas buscas que levaram à apreensão de um "enorme acervo" de objectos provenientes dos crimes, assim como de outros usados na prática daqueles, entre os quais armas e munições de diferentes características e calibres.

Na posse de um dos arguidos foi ainda encontrada e apreendida droga.

Os arguidos estão indiciados dos crimes de associação criminosa, roubo qualificado, furto qualificado, tráfico de estupefacientes, recetação, tráfico e mediação de armas, detenção de arma proibida e falsificação de documento, prosseguindo a investigação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.