Cinco das oito vítimas mortais das explosões já foram identificadas

Os três corpos que faltam identificar deverão sê-lo até ao final da semana, diz fonte do Ministério da Justiça

Cinco das oito vítimas mortais das explosões ocorridas numa fábrica de pirotecnia de Lamego já foram identificadas, através das impressões digitais, disse esta segunda-feira à agência Lusa fonte do Ministério da Justiça.

"Os dois últimos foram identificados na terça-feira (dia 11), tendo sido dado conhecimento ao magistrado do Ministério Público responsável pelo processo e posteriormente às famílias", referiu a mesma fonte.

No que respeita aos três corpos que falta identificar, "sê-lo-ão através de análises genéticas", um processo que "se prevê estar concluído até ao final desta semana", acrescenta.

As explosões ocorreram cerca das 17:50 do passado dia 04, na fábrica de pirotecnia Egas Sequeira, situada na freguesia da Penajóia, no concelho de Lamego, distrito de Viseu.

Seis corpos foram transportados no dia 5 para o Instituto de Medicina Legal do Porto, mas duas pessoas continuaram desaparecidas.

Na noite do dia 6, as buscas pelos restos mortais foram encerradas, após terem sido encontrados mais vestígios biológicos que podiam apontar para a confirmação de oito mortos.

No dia 7, fonte do Ministério da Justiça informou que três das oito vítimas mortais das explosões tinham sido identificadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.