Cinco das oito vítimas mortais das explosões já foram identificadas

Os três corpos que faltam identificar deverão sê-lo até ao final da semana, diz fonte do Ministério da Justiça

Cinco das oito vítimas mortais das explosões ocorridas numa fábrica de pirotecnia de Lamego já foram identificadas, através das impressões digitais, disse esta segunda-feira à agência Lusa fonte do Ministério da Justiça.

"Os dois últimos foram identificados na terça-feira (dia 11), tendo sido dado conhecimento ao magistrado do Ministério Público responsável pelo processo e posteriormente às famílias", referiu a mesma fonte.

No que respeita aos três corpos que falta identificar, "sê-lo-ão através de análises genéticas", um processo que "se prevê estar concluído até ao final desta semana", acrescenta.

As explosões ocorreram cerca das 17:50 do passado dia 04, na fábrica de pirotecnia Egas Sequeira, situada na freguesia da Penajóia, no concelho de Lamego, distrito de Viseu.

Seis corpos foram transportados no dia 5 para o Instituto de Medicina Legal do Porto, mas duas pessoas continuaram desaparecidas.

Na noite do dia 6, as buscas pelos restos mortais foram encerradas, após terem sido encontrados mais vestígios biológicos que podiam apontar para a confirmação de oito mortos.

No dia 7, fonte do Ministério da Justiça informou que três das oito vítimas mortais das explosões tinham sido identificadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.