Cientistas russos inventam "manta blindada" para proteger civis

A manta criada pela empresa Nll Stali é à prova de bala e pode ser usada para tapar janelas ou mesmo as pessoas, em caso de perigo

Cientistas russos criaram uma "manta blindada" para proteger os civis de estilhaços em zonas de conflito, anunciou esta segunda-feira a empresa NII Stali [Instituto do Aço], onde foi desenvolvida a invenção.

"A manta é um conjunto leve de tecido à prova de bala dobrado de forma compacta que, em caso de perigo, pode transformar-se rapidamente numa tela protetora de grande superfície", disse um representante da empresa à agência Interfax.

Segundo a empresa, a manta pode ser usada para tapar janelas ou as próprias pessoas, protegendo-as de estilhaços que podem ser projetados a uma velocidade até 500 metros por segundo.

"A explosão de projeteis de artilharia e de granadas gera 50% a 70% de fragmentos perigosos para as pessoas", acrescentou o representante.

A "manta blindada" e outras invenções da empresa vão ser apresentadas na feira "Exército-2016", que se realiza de 06 a 11 de setembro nos arredores de Moscovo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?