Há um objeto que não devia estar no nosso Sistema Solar

O "2015 BZ509" está na órbita de Júpiter e transita num direção oposta à dos planetas e da maioria dos outros corpos celestes do Sistema Solar

Cientistas descobriram o primeiro asteroide extrassolar que se fixou no Sistema Solar, na órbita de Júpiter, revela um estudo publicado esta segunda-feira.

O "2015 BZ509", com origem fora do sistema solar, está 'aninhado' na órbita de Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar.

Para os investigadores, perceber exatamente como o asteroide se fixou no Sistema Solar, em vez de o atravessar e seguir na sua trajetória, poderá fornecer novas pistas sobre a formação dos planetas, a evolução do próprio Sistema Solar e a possível origem da vida.

Ao contrário dos planetas do Sistema Solar e da maioria dos outros corpos celestes, que orbitam o Sol na mesma direção, o "2015 BZ509" transita na direção oposta, tem o que se chama 'órbita retrógrada', o que pode explicar a sua origem.

Segundo os autores do estudo, a proximidade das estrelas, 'auxiliada' pelas forças gravitacionais dos planetas, ajuda os sistemas estelares "a atraírem, a removerem e a capturarem asteroides uns dos outros", refere uma nota da Royal Astronomical Society.

O estudo foi divulgado na publicação Monthly Notices, da Royal Astronomical Society.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.