Cientistas descobrem hominídeo que viveu com os primeiros humanos em África

É a primeira vez que um membro afastado da árvore evolutiva humana é identificado num período em que os primeiros "homo sapiens" cruzavam o continente africano

Cientistas sul-africanos descobriram que um hominídeo descoberto em 2013 viveu ao mesmo tempo que os primeiros humanos há centenas de milhares de anos, a primeira descoberta do género.

Os investigadores Paul Dirks e Eric Roberts, da Universidade James Cook dataram o "homo naledi" no período entre há 236.000 e 335.000 anos, usando fósseis encontrados num sistema de cavernas.

"Quando identificámos os fósseis pela primeira vez, a maioria dos paleoantropólogos na investigação ficou convencida de que teriam um ou dois milhões de anos, mas são muito mais recentes. Isso quer dizer que um hominídeo primitivo persistiu em África por um período de tempo muito longo, muito para além do que se julgava possível", afirmou Dirks.

É a primeira vez que um membro afastado da árvore evolutiva humana é identificado num período em que os primeiros "homo sapiens" cruzavam o continente africano.

Paul Dirks considerou que a estrutura das mãos do "homo naledi" pode indicar que fabricava ferramentas, uma vez que no período em que viveu já existiam ferramentas em África.

Eric Roberts apontou a dificuldade de explorar as cavernas em que os fósseis foram encontrados, situadas no chamado Berço da Humanidade, um local perto da cidade de Magaliesburg, no nordeste do país.

Com passagens apertadas, é composto por duas câmaras, desconhecendo-se por enquanto por que razão os "homo naledi" ali foram acabar.

"Há um grande debate sobre se é um local funerário ou se ficaram ali presos. Podem ter sido perseguidos por leões ou até por outros humanos, podem não ter conseguido sair. Esta é uma região de grandes tempestades e há vestígios de impactos de meteoritos naquela altura. Pode especular-se o que se quiser, mas por agora subsiste a hipótese original de terem sido postos ali de propósito", afirmou John Hawks, da universidade de Wisconsin.

A ideia de o "homo naledi" colocar os mortos em câmaras subterrâneas de acesso difícil é comum em relação aos "neanderthal", dos quais há prova de rituais funerários numa caverna profunda em Espanha, conhecida como Sima de los Huesos.

"A parte mais excitante do 'homo naledi' é que se tratava de criaturas com cérebros três vezes mais pequenos que os nossos", afirma Hawks, acrescentando que "não estamos a falar de um humano".

No entanto, parece partilhar um comportamento que reconhecemos, um cuidado pelos outros que continua após morrerem, salienta.

"Deslumbra-me pensar que podemos estar a testemunhar as raízes mais profundas das práticas culturais humanas", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.