Cidade do Alasca vai mudar-se devido às alterações climáticas

Shishmaref fica numa ilha, no noroeste do Alasca, mas os habitantes decidiram em referendo que vão passar para o continente

A comunidade insular de Shishmaref, no noroeste do Alasca, Estados Unidos, que é habitada em mais de 90% por indígenas, votou em referendo a mudança para uma localização continental devido aos efeitos das alterações climáticas na ilha.

Dos cerca de 560 habitantes da ilha, votaram 170, dos quais 89 votaram a favor da mudança e 79 contra, informou hoje a imprensa local.

Shishmaref fica situada numa ilha de quase cinco quilómetros de comprimento e cerca de 400 metros de largura, mas a subida do nível da água já obrigou à reinstalação de 13 casas.

Em 2002, a localidade tinha realizado um referendo com a mesma pergunta e com o mesmo resultado, mas o custo da mudança para território continental tornou a iniciativa inviável.

Em 2015, o Departamento do Interior norte-americano destinou oito milhões de dólares para todas as comunidades que pretendem mudar-se devido aos efeitos das alterações climáticas, mas só Shishmaref necessita de uns 200 milhões de dólares para o fazer.

Além disso, de acordo com o jornal The Huffington Post, uma dezena de comunidades do Alasca também votou mudar-se por motivos parecidos aos de Shishmaref e, segundo o Governo norte-americano, cerca de 200 pessoas sofrem as consequências das alterações climáticas sob a forma de erosão ou inundação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Geopolítica

5 anos. A Crimeia é russa mesmo que Ocidente não goste

Em março de 2014, no auge da rebelião na Ucrânia que derrubou o regime pró-russo de Viktor Ianukovitch, forças russas ocupavam a Crimeia e Moscovo decretava a 18 a anexação da península e a sua plena integração na Federação Russa. Era o início de uma crise que, cinco anos depois, continua a envenenar as relações entre a Rússia e o Ocidente.