Cidade do Alasca vai mudar-se devido às alterações climáticas

Shishmaref fica numa ilha, no noroeste do Alasca, mas os habitantes decidiram em referendo que vão passar para o continente

A comunidade insular de Shishmaref, no noroeste do Alasca, Estados Unidos, que é habitada em mais de 90% por indígenas, votou em referendo a mudança para uma localização continental devido aos efeitos das alterações climáticas na ilha.

Dos cerca de 560 habitantes da ilha, votaram 170, dos quais 89 votaram a favor da mudança e 79 contra, informou hoje a imprensa local.

Shishmaref fica situada numa ilha de quase cinco quilómetros de comprimento e cerca de 400 metros de largura, mas a subida do nível da água já obrigou à reinstalação de 13 casas.

Em 2002, a localidade tinha realizado um referendo com a mesma pergunta e com o mesmo resultado, mas o custo da mudança para território continental tornou a iniciativa inviável.

Em 2015, o Departamento do Interior norte-americano destinou oito milhões de dólares para todas as comunidades que pretendem mudar-se devido aos efeitos das alterações climáticas, mas só Shishmaref necessita de uns 200 milhões de dólares para o fazer.

Além disso, de acordo com o jornal The Huffington Post, uma dezena de comunidades do Alasca também votou mudar-se por motivos parecidos aos de Shishmaref e, segundo o Governo norte-americano, cerca de 200 pessoas sofrem as consequências das alterações climáticas sob a forma de erosão ou inundação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.