"Chegou a hora de dizer adeus ao Philae"

Probabilidade de novo contacto com o robô que aterrou num cometa é "quase zero", informou a Agência Espacial Alemã

A probabilidade de estabelecer contacto com o robô europeu Philae, que está no cometa Tchouri há sete meses e em silêncio, é "quase zero" e "chegou a hora de dizer adeus" ao equipamento, declarou hoje, num comunicado, a Agência Espacial Alemã (DLR).

O centro de controlo de aterragem parou de enviar comandos ao robô Philae, segundo a DLR, numa nota intitulada "Chegou a hora de dizer adeus à Philae".

Entretanto, a sonda espacial Rosetta "continua ainda à escuta" do Philae, sublinhou a agência espacial francesa (CNES), num comunicado separado.

"Há realmente muito pouca esperança de receber um sinal" do Philae, declarou à agência de notícias francesa AFP Stephan Ulamec, um responsável DLR.

O cometa Tchouri move-se para longe do sol, o que significa que os painéis solares do robô recebem menos luz.

As antenas de receção do robô continuam ligadas e "continuamos a estar preparados no caso de a Philae acordar", disse Ulamec.

"Mas, para ser honesto e realista, é muito improvável que escutemos novamente a Philae", disse Stephan Ulamec.

O robô Philae, que viajou na sonda espacial Rosetta, realizou a 12 de novembro de 2014 uma aterragem histórica sobre o cometa Tchouri. Equipada com dez instrumentos, trabalhou durante 60 horas antes de "adormecer" por falta de energia.

Voltou a "acordar" em junho de 2015, mas não deu mais sinais de funcionamento desde 09 de julho.

A sonda Rosetta foi lançada em março de 2004, e está a orbitar o cometa 67/P desde o ano passado. Em novembro de 2014, a 500 milhões de quilómetros da Terra e após uma viagem de 10 anos, o Philae tornou-se o primeiro objeto de fabrico humano a pousar num cometa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.