Champalimaud acolhe debate sobre Alzheimer

Maiores especialistas do mundo vão passar por Lisboa em setembro

"Debater o presente com uma janela aberta para o futuro." É desta forma que Albino Oliveira-Maia antecipa a cimeira internacional organizada pelas fundações Champalimaud e Rainha Sofia. O encontro que juntará dois prémios Nobel da Medicina vai decorrer entre 18 e 22 de setembro, na Fundação Champalimaud, em Lisboa.

Os primeiros dois dias vão ser mais dedicados à intervenção clínica das demências. Ou seja, especialistas como Mercè Boada, fundadora e diretora médica da Fundação ACE em Barcelona e especialista em diagnóstico precoce de Alzheimer, e Pablo Martínez Lage, diretor de neurologia da Fundação CITA, Centro de Investigação e Tratamento Avançado para a doença de Alzheimer, vão explicar as mais inovadoras formas de tratar estes doentes. "Os restantes três dias vão ser mais dedicados à área biológica e biomédica sobre os últimos avanços com relevância para esta doença", antecipa Albino Oliveira-Maia, da Fundação Champalimaud e membro da comissão científica da cimeira.

Entre os oradores convidados estão os Nobel da Medicina Richard Axel (2004) e John O"Keefe (2014) que vão falar sobre neurologia e genoma e redes de cérebro essenciais para a construção de memórias. Outros oradores de destaque serão o neurologista António Damásio - Prémio Príncipe das Astúrias para Investigação 2005 - e Rui Costa, investigador do Centro Champalimaud especialista em neurobiologia da ação e do movimento. "Em termos científicos é uma cimeira muito bem representada", sublinha o também coordenador da Unidade de Neuropsiquiatria do Centro Clínico Champalimaud, Albino Oliveira-Maia.

A doença de Alzheimer afeta 47,5 milhões de pessoas em todo o mundo, sendo a demência mais frequente, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). As estimativas nacionais apontam para que cerca de 182 mil portugueses sofram de demência. Em todo o mundo, é expectável que esta doença continue a crescer e atinja 75,6 milhões de pessoas em 2030.

Daí a relevância de se conjugar "a intervenção clínica os desenvolvimentos científicos mais fundamentais para que se possam abrir portas para outros avanços", aponta Albino Oliveira-Maia.

A cimeira é presidida por Leonor Beleza (presidente da Fundação Champalimaud) e a Rainha Sofia de Espanha. O evento resulta da colaboração entre as duas fundações e de várias instituições ibéricas que partilham o interesse nos cuidados e investigação das doenças neurodegenerativas, um problema mais urgente para países com sociedades mais envelhecidas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.