Cérebro humano pode armazenar 4,7 mil milhões de livros

Afinal a capacidade de armazenamento do cérebro é dez vezes maior do que se esperava, conclui estudo publicado no eLife

Cientistas do Salk Institute, da Califórnia, descobriram que a parte do cérebro humano que é reservada à memória tem muito mais capacidade do que se pensava, podendo armazenar qualquer coisa como 4,7 mil milhões de livros ou 670 milhões de páginas de internet.

Caso o cérebro fosse usado na sua máxima capacidade, o que não acontece, poderia acomodar um petabyte de informação, ou seja, cerca de um milhão de gigas. Este cálculo tem por base a medição das sinapses, que são as ligações cerebrais que estão associadas ao armazenamento de memórias. Em média, cada uma consegue armazenar 4,7 bits de informação.

A equipa de Terry Sejnowski, professor de neurobiologia computacional, investigou as ligações fundamentais do cérebro, as sinapses, no hipocampo, a região da memória. E descobriu que afinal há mais dimensões para as sinapses, que são determinantes para o armazenamento. Por outro lado, os tamanhos podem ir mudando consoante a atividade dos neurónios.

"Descobrimos que há dez vezes mais dimensões de sinapses do que se pensava", diz Tom Bartol, um dos cientistas desta equipa. Neste caso, foram identificados 26, que correspondem ais tais 4,7 bits de informação, em vez de um ou dois, como se pensava.

"Esta é uma ordem de magnitude maior do que alguma vez alguém imaginou", disse Sejnowski.

Outras conclusões relevantes desta investigação prendem-se com a eficiência do cérebro. O de um adulto gera apenas 20 watts de potência contínua, tanto como uma lâmpada de pouca potência. Esta descoberta, lê-se no comunicado relativo ao estudo, "poderá ajudar os cientistas computacionais a criar computadores mais eficientes, capazes de análises e aprendizagens sofisticadas como linguagem, reconhecimento de objetos e tradução."

O estudo teve por base uma reconstrução de um fragmento de hipocampo elaborado para reproduzir as características exatas de cada sinapse no cérebro de um rato, acreditando a equipa que não seriam muito distintas das do relativas ao ser humano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.