Cerca de 90 carros ardidos no "Andanças" continuam por reclamar

O tenente-coronel José Moisés disse que as viaturas estão identificadas assim como os seus proprietários

Cerca de 90 veículos ardidos no estacionamento do festival "Andanças", em Castelo de Vide, Portalegre, continuam por reclamar pelos proprietários, mais de uma semana após o incêndio, disse hoje à agência Lusa fonte da GNR.

O oficial de relações públicas do Comando Territorial de Portalegre da Guarda, tenente-coronel José Moisés, adiantou que as viaturas estão identificadas e há o registo de quem são os proprietários, que, no entanto, ainda não as reclamaram.

O número total de veículos destruídos totalmente ou parcialmente no incêndio, ocorrido no dia 03 deste mês, foi de 458, referiu o responsável da GNR, indicando que, quanto às causas, continuam em curso as investigações a cargo da Polícia Judiciária (PJ), embora "não existam indícios de crime".

A GNR, segundo o mesmo oficial, já procedeu à "entrega" do parque de estacionamento e das 89 viaturas por reclamar à organização do evento.

"Nós entregámos um número significativo de viaturas (89) e do parque de estacionamento à organização do festival, que, como tem interesse em libertar o espaço, vai contactar os proprietários", frisou.

"O processo está a fluir normalmente, embora seja importante perceber que ainda estão no estacionamento cerca de 400 viaturas, que aguardam remoção", salientou.

Catarina Serrazina, da organização do "Andanças", escusou-se a avançar pormenores do processo com a seguradora do festival, declarando apenas que a situação é "muito excecional".

"Ainda não temos informações, continuamos à espera", disse.

A 21.ª edição do "Andanças" - Festival Internacional de Música e Danças Populares, que terminou no domingo, decorreu ao longo de sete dias numa área de 28 hectares nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide, distrito de Portalegre.

O festival é anualmente promovido pela Pédexumbo - Associação para a Promoção da Música e Dança.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."