Central nuclear de Almaraz está a ser reabastecida de combustível

Central que faz fronteira com os distritos portugueses de Castelo Branco e Portalegre realiza o 23.º reabastecimento

A central nuclear de Almaraz, em Espanha, iniciou no domingo um novo reabastecimento de combustível e trabalhos de manutenção, situação que não desmotiva a associação ambientalista Quercus de continuar a lutar pelo seu encerramento.

Numa nota informativa a que a agência Lusa teve acesso, emitida hoje pelas Centrais Nucleares Almaraz-Trillo (CNAT), é explicado que esta central que faz fronteira com os distritos portugueses de Castelo Branco e Portalegre, iniciou à meia noite de domingo o 23.º reabastecimento de combustível e trabalhos de manutenção.

"Às 23:56 de ontem 06 de novembro de 2016 procedeu-se à desativação programada da Unidade-II da central nuclear de Almaraz para iniciar a vigésima terceira paragem de reabastecimento de combustivel e manutenção geral", lê-se na nota.

Segundo o documento, a reconexão à rede está prevista para 18 de dezembro às 00:00, o que supõe uma duração de 41 dias.

À Lusa, Samuel Infante, da Quercus, disse que apesar desta operação em Almaraz, "as esperanças não são deitadas por terra" e adiantou que "a luta [pelo encerramento da central] vai continuar".

"Neste momento, o Governo mudou um bocadinho a trajetória que tinha seguido até aqui de apenas dizer que aceitava as garantias que vinham de Espanha", sustentou.

O ambientalista explicou ainda que na última audição parlamentar, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, reconheceu que iria usar os mecanismos de impacte ambiental, devido às notícias de que a Endesa, um dos proprietários da central nuclear espanhola, tinha feito um pedido para transformar Almaraz num cemitério nuclear.

"Nós, juntamente com as congéneres espanholas estamos já a trabalhar para que caso essa eventual avaliação de impacte ambiental decorra, seja bastante participada publicamente com as populações dos dois lados da fronteira", frisou.

Samuel Infante sublinha que o objetivo é "tentar evitar" que se crie mais uma infraestrutura nuclear em Almaraz que receba resíduos nucleares de outro local e continuar com o programa para desmantelar a central espanhola.

"Almaraz é uma central completamente obsoleta e mesmo que se façam investimentos, os riscos são muito elevados (?). Não há necessidade de continuarmos a ter uma central nuclear obsoleta que é uma bomba-relógio para todas as populações", afirmou.

Sobre este reabastecimento de combustível, disse apenas que está anunciado bem como algumas atividades de manutenção: "Não me parece que se possa intervir".

Este responsável da Quercus adiantou ainda que agora que Espanha já tem um governo, este possa finalmente tomar decisões e dizer sim ou não ao prolongamento do funcionamento da central.

"Em função disso, vamos definir toda a nossa estratégia de atuação e de combate a esse eventual prolongamento. Nesse sentido, é bom que haja em Espanha um governo para que se defina de uma vez por todas o que é que vão fazer com Almaraz e podermos, as associações e populações dos dois lados da fronteira, definir a melhor estratégia", concluiu.

Segundo a nota emitida pelos responsáveis da central de Almaraz, para o reabastecimento de combustível e as "mais de nove mil atividades planificadas", foram contratados serviços de mais de 70 empresas especializadas que vão empregar 1.200 trabalhadores adicionais,a maioria da província da Extremadura.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.