Centenas de manifestantes marcham em Lisboa em defesa do clima

Capital portuguesa recebeu uma das muitas manifestações que se realizam este fim de semana

Várias centenas de manifestantes partiram da praça Martim Moniz, em Lisboa, em direção à Alameda, numa marcha em defesa do clima que junta ambientalistas e famílias que empunham cartazes verdes.

Muitos chegaram à concentração de bicicleta, alguns com as crianças na parte de trás do velocípede, e todos queriam transmitir aos responsáveis políticos - portugueses, mas principalmente internacionais - que é indispensável avançar com medidas para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e assim travar as alterações climáticas.

A Marcha Global pelo Clima em Lisboa é uma das que se estão a realizar hoje por todo o mundo, incluindo noutras cidades portuguesas, para chamar a atenção dos líderes políticos que vão estar na segunda-feira em Paris na sessão de abertura da conferência das Nações Unidas (ONU) para o clima, que vai decorrer até ao dia 11 de dezembro.

A presença da polícia é discreta, estando alguns agentes com motos e três carros visíveis.

Esta iniciativa foi promovida pela Academia Cidadã sob o mote "Muda o sistema, não o clima!". A Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza associou-se a este movimento internacional.

Os Verdes também integram a Marcha pelo Clima, com a presença de, entre outros militantes e simpatizantes do PEV, Heloísa Apolónia, deputada ecologista, e Manuela Cunha, membro da Comissão Executiva dos Verdes.

Mais de 570 mil manifestantes em todo o mundo

Mais de 570 mil pessoas participaram num total de 2300 marchas pelo clima este fim de semana, segundo as primeiras estimativas fornecidas por uma das organizações envolvidas, a Avaaz. O número é provisório, assinala a ONG ao jornal francês Le Figaro, uma vez que irão realizar-se ainda marchas no México, Otava e Vancouver.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.