Centenas de manifestantes marcham em Lisboa em defesa do clima

Capital portuguesa recebeu uma das muitas manifestações que se realizam este fim de semana

Várias centenas de manifestantes partiram da praça Martim Moniz, em Lisboa, em direção à Alameda, numa marcha em defesa do clima que junta ambientalistas e famílias que empunham cartazes verdes.

Muitos chegaram à concentração de bicicleta, alguns com as crianças na parte de trás do velocípede, e todos queriam transmitir aos responsáveis políticos - portugueses, mas principalmente internacionais - que é indispensável avançar com medidas para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e assim travar as alterações climáticas.

A Marcha Global pelo Clima em Lisboa é uma das que se estão a realizar hoje por todo o mundo, incluindo noutras cidades portuguesas, para chamar a atenção dos líderes políticos que vão estar na segunda-feira em Paris na sessão de abertura da conferência das Nações Unidas (ONU) para o clima, que vai decorrer até ao dia 11 de dezembro.

A presença da polícia é discreta, estando alguns agentes com motos e três carros visíveis.

Esta iniciativa foi promovida pela Academia Cidadã sob o mote "Muda o sistema, não o clima!". A Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza associou-se a este movimento internacional.

Os Verdes também integram a Marcha pelo Clima, com a presença de, entre outros militantes e simpatizantes do PEV, Heloísa Apolónia, deputada ecologista, e Manuela Cunha, membro da Comissão Executiva dos Verdes.

Mais de 570 mil manifestantes em todo o mundo

Mais de 570 mil pessoas participaram num total de 2300 marchas pelo clima este fim de semana, segundo as primeiras estimativas fornecidas por uma das organizações envolvidas, a Avaaz. O número é provisório, assinala a ONG ao jornal francês Le Figaro, uma vez que irão realizar-se ainda marchas no México, Otava e Vancouver.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.